Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News

Um jovem passou momentos de pânico após ajudar uma mulher que havia sofrido assédio, na estação do Metrô da Praça do Relógio, em Taguatinga, na tarde de sexta-feira (18/12). O programador Jair Aksin Reis Canhête, 25 anos, seguia para casa quando percebeu um homem, identificado como o 1º sargento Guilherme Marques Filho, do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF), passando a mão pelo corpo de uma jovem. A informação é do portal Metrópoles.

Segundo a reportagem, ele abordou o autor do assédio, que reagiu sacando uma pistola e o atacando.

Jair registrou ocorrência na 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro) e contou detalhes do ocorrido em depoimento. Segundo ele, a mulher estava parada na sua frente falando ao telefone, em uma fila para comprar o bilhete do Metrô. “Logo em seguida esse homem apareceu e passou a mão pelas costas da moça. Ela não teve reação, ficou em choque. O homem apenas riu”, contou.

O programador relatou que resolveu intervir para proteger a mulher e gritou para o assediador se afastar. Irritado, o homem, que vestia uma camiseta com a foto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), teria esboçado sacar uma pistola cromada que estava em sua cintura.

No entanto, agentes da segurança do Metrô se aproximaram para saber o que que estava ocorrendo. “Eu ainda presenciei quando ele se identificou para os agentes como militar do Corpo de Bombeiros e apresentou a documentação”, disse o rapaz.

Assista:

Ameaça

Após a confusão, os fiscais pediram para que Jair permanecesse mais alguns instantes no local e deixasse o militar ir embora. “Falaram que o cara estava estressado, mas quem havia cometido crime era ele. De qualquer forma, esperei por 15 minutos e depois segui meu caminho”, explicou.

No entanto, o programador afirmou que o homem estava escondido, esperando ele deixar a estação. Assustado, o rapaz correu para se refugiar dentro de uma loja especializada na venda de peixes e aquários. “Tentei me posicionar próximo a uma câmera de segurança para, pelo menos, ficar registrado que ele poderia me matar. Por sorte, ele puxou a arma, me agrediu, mas não apertou o gatilho”, desabafou.

Em pânico, funcionários do estabelecimento acompanharam as ameaças. Logo após agredir o rapaz, o homem deixou o local. Jair registrou ocorrência na delegacia e aguarda um desfecho sobre caso. “É uma sensação muito ruim de impotência, pois esse homem havia assediado uma moça dentro do Metrô. Espero que as autoridades tomem uma providência enérgica”, finalizou.

A reportagem do Metrópoles procurou a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros para falar sobre o caso. De acordo com a corporação, o Comando-Geral adotará todos os procedimentos legais necessários e obrigatórios à apuração dos fatos. ” Desde já, o CBMDF manifesta-se contrário a qualquer forma de agressão e violência. A corporação é defensora incansável do respeito a todo cidadão e tem como seu dever proteger a sociedade”, afirmou a nota.

Metrópoles