Reprodução/Twitter

Juíza posta passo a passo de como andar sem máscara em shopping e é criticada

Ela também recebeu muitas criticas por incentivar aglomerações em meio a pandemia

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A juíza Ludmila Lins Grilo, magistrada do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, comarca de Buritis, vem chamando a atenção nas redes sociais por defender constantemente as aglomerações em meio à pandemia de Covid-19. Além de subir a tag #AglomeraBrasil em suas publicações do Twitter, a magistrada se diz contrária à obrigatoriedade da vacina contra o vírus.

Na segunda-feira (4/1) Ludmila fez um passo a passo de como burlar as regras de proteção contra a Covid-19 e andar em um shopping sem utilizar a máscara.

Com 130 mil seguidores, Ludmila diz não acreditar na letalidade do vírus, como em um vídeo postado no Ano-Novo em que mostra pessoas caminhando na Rua das Pedras, em Búzios (RJ), sem respeitar o distanciamento social. Segundo ela, as pessoas estavam aglomeradas porque estariam “resistindo à estupidez”.

Reações

O advogado José Belga Assis Trad entrou com pedido de apuração de Ludmila Lins Grilo no Conselho Nacional de Justiça – CNJ. Na solicitação, Trad avalia que os seguidores da juíza podem ser influenciados pelas opiniões dela e que os atos podem configurar crime de apologia à infração de medida sanitária preventiva (artigo 268 do Código Penal).

“Ao se manifestar contra as recomendações das autoridades sanitárias, embora não tenha formação e não seja médica sanitarista, o público que tem acesso ao conteúdo das postagens da doutora Ludmila Lins Grilo passa a confundir a opinião, infundada, da magistrada com a da magistratura.”

Metrópoles