Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News

Em pronunciamento nesta quarta-feira (13) em Manaus (AM), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que a vacinação contra o coronavírus começará neste mês em todo o País. Ele também disse que a cidade terá prioridade. A capital do Amazonas enfrenta um colapso no sistema de saúde.

“Vamos vacinar em janeiro”, ressaltou o ministro. “A vacina será distribuída simultaneamente em todos os Estados, na sua proporção de população, e Manaus terá essa prioridade também”, afirmou Pazuello.

O general voltou a afirmar que o Brasil está preparado para iniciar a vacinação contra a Covid-19 assim que houver o aval da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O ministro ainda alertou que a população deverá compreender que o início da imunização não significa ir para “a rua fazendo festa”. “A vacina induz a produção de anticorpos, essa é a função da vacina, ela vai induzir a produção de anticorpos. Quem produz os anticorpos é o próprio ser humano. Essa produção de anticorpos não é no dia seguinte. A literatura fala de 30 a 60 dias. Não é tomar a vacina no dia 20 e no dia 22 estar na rua fazendo festa. Nem vai resolver o problema da infraestrutura e do tratamento precoce de Manaus”, disse Pazuello.

“Nós temos duas vacinas para janeiro muito promissoras, todos acompanham, a vacina da Fiocruz/AstraZeneca e a do Butantan com Sinovac. São 8 milhões de doses. Quando a Anvisa concluir suas análises de segurança e eficácia, três, quatro dias depois nós estamos distribuindo a vacina no Brasil”, declarou o ministro.

Avião

O ministro da Saúde afirmou que o governo enviará nesta quarta um avião à Índia para buscar 2 milhões de doses prontas da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica britânica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford (Reino Unido), que serão entregues pelo Instituto Serum, uma das fabricantes do imunizante.

Segundo Pazuello, as doses devem chegar no Brasil no sábado (16). “É o tempo de viajar, apanhar e trazer, já está com documento de importação pronto. Então, quando nós tivermos a posição da Anvisa, temos material para distribuir e temos capacidade para vacinar no País todo”, disse.

Fonte: O Sul