Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News Entre no grupo do Whatsapp

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ao presidente da Corte, ministro Luiz Fux, um pedido para colocar em pauta uma notícia-crime que acusa o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), por genocídio contra indígenas por sua atuação diante da pandemia do coronavírus.

O Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, já se manifestou contra a abertura do processo, mas o advogado André Barros, que move a ação, recorreu da decisão do órgão.

A queixa pede abertura do inquérito por Bolsonaro dificultar assistência aos povos indígenas durante a pandemia – de medicamentos ao fornecimento de água.

O advogado diz que a ação ainda pede que a investigação seja estendida a toda população brasileira.

“O presidente da República buscou, de maneira concreta, que a população saísse às ruas, como de fato saiu, para que contraísse rapidamente a doença, sob a falsa informação da imunização de rebanho”, afirma na petição ao STF.

Metrópoles