Crianças são usadas em ritual contra Covid-19 e polícia apura maus-tratos – Porto Alegre 24 horas

Crianças são usadas em ritual contra Covid-19 e polícia apura maus-tratos

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra parte do resgate
Reprodução

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Três crianças de uma mesma família foram resgatadas hoje durante um suposto ritual religioso, em Bragança, a 210 quilômetros de Belém. A informação é do UOL.

Segundo o Conselho Tutelar da cidade, que tirou os menores da guarda dos parentes, familiares alegaram que a cerimônia teria como objetivo acabar com a pandemia de covid-19. A Polícia Civil apura o caso como maus-tratos.

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra parte do resgate. É possível ver familiares com os ânimos exaltados enquanto agentes policiais e do Conselho Tutelar tentam convencê-los a entregar as crianças. As imagens mostram uma das meninas resgatadas coberta por um pano branco e posicionada em pé em frente a uma cruz.

O caso chegou até a Delegacia de Investigação de Crimes Contra a Criança e o Adolescente após a comunidade denunciar o ritual ao Conselho Tutelar. As crianças retiradas da cerimônia são irmãs e têm 1, 8 e 11 anos.

O ritual consistia, segundo a denúncia, em rezar em volta das crianças, posicionadas de pé em frente às cruzes, no quintal da casa. As vítimas dos maus-tratos ficavam dentro de um desenho que representava o que seria uma arca. A cerimônia ocorria em jejum, com duração de horas e ao longo de três dias.

“Fomos acionados devido às denúncias de maus-tratos das crianças. Elas estavam sofrendo e sendo agredidas. Chegamos lá e os familiares rezavam porque queriam acabar mesmo com a pandemia [através da cerimônia]”, confirmou ao UOL a conselheira tutelar Maria Rosa.

De acordo com o órgão, as meninas estão em um abrigo municipal e aguardam decisão da Justiça para saber se retornarão para casa. Parentes chegaram a ser ouvidos na delegacia, mas foram liberados em seguida.

O inquérito do caso correrá em sigilo e é comandado pela delegada Luciana Nunes.

UOL

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade