Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News Entre no grupo do Whatsapp

Um homem foi preso na noite deste domingo, 11, após manter uma mulher como refém no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos. O agressor, que seria integrante da Polícia Militar de Foz do Iguaçu, no Paraná, usou um lápis para render e ameaçar uma comissária de bordo da companhia aérea Gol. A situação aconteceu em um dos portões de embarque no Terminal 2. Dizendo frases desconexas, o militar orientava pessoas a se posicionarem no local e pedia que os passageiros presentes filmassem e divulgassem o ato nas redes sociais. “Eu sou policial militar do Paraná. Tentaram tirar a minha vida, os policiais do Paraná fizeram isso”, disse. A princípio, acreditava-se que o homem portava uma faca. No entanto, segundo a polícia, ele usou um lápis para ameaçar a funcionária e dizia ter uma bomba. “Sou o soldado Resende, vou machucar ela se a Polícia Federal vier aqui. Estou com uma bomba na mochila, afasta, afasta.

Policiais federais foram acionados e, após negociações, conseguiram convencer o homem a se render, liberando a refém sem ferimentos. De acordo com a Polícia Federal (PF), o soldado Frederico Correia Resende, que foi encaminhado à delegacia do aeroporto, teria sofrido um surto. O militar pegou um voo em Foz do Iguaçu para o Espírito Santo, onde tem parentes, e fazia a conexão em São Paulo. A GRU Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de São Paulo, emitiu nota confirmando os fatos e informando que não houve prejuízos às atividades e operações no terminal. A Gol também se manifestou esclarecendo que está prestando todo o suporte necessário à colaboradora, que passa bem, e informou que o envolvido no caso não era passageiro da companhia aérea. (Jovem Pan)