Erasmo Salomão / Ministério da Saúde

AGU pede ao Supremo que garanta direito de Pazuello de ficar calado em depoimento à CPI

Depoimento seria no dia 5, mas foi adiado porque Pazuello disse ter tido contato com pessoas com Covid. AGU também quer que ex-ministro não possa ser preso

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A AGU (Advocacia-Geral da União) acionou o STF (Supremo Tribunal Federal) para garantir que o ex-ministro Eduardo Pazuello possa ficar em silêncio quando julgar que não precisa responder a perguntas feitas por senadores durante seu depoimento à CPI da Pandemia. A AGU quer também garantir que ele fique imune à ameaças, como prisão.

Pazuello deveria ter comparecido para depor na CPI na primeira semana de trabalho, mas sua convocação foi adiada depois que ele disse que teve contato com um ex-assessor contaminado com o coronavírus. Ele pedia um depoimento virtual, o que foi descartado. Apesar de alegar que teve proximidade com pessoas que testaram positivo, Pazuello recebeu o ministro Onyx Lorenzoni.

Mais longevo ministro da Saúde durante a pandemia, Pazuello participou das negociações de vacinas, inclusive das rejeições de ofertas de laboratórios. Ele presenciou as negativas do presidente Jair Bolsonaro em relação à compra da Coronavac, do Butantan.

O ex-ministro é investigado por suposta omissão no enfrentamento da pandemia no Amazonas. A apuração tem como foco o colapso da saúde em Manaus, no início deste ano. O Ministério Público Federal aponta que o então ministro Pazuello sabia do iminente colapso no abastecimento de oxigênio medicinal desde dezembro, mas só enviou representantes ao Amazonas em janeiro.

O ministério também teria atrasado o envio de oxigênio ao estado e, mesmo sabendo do déficit nos estoques, teria optado pelo envio de cloroquina – medicamento sem comprovação científica para tratar a Covid. (O Sul)