Foto: Alex Ferro / Riotur

Com avanço da vacinação, Rio de Janeiro espera ter Réveillon e Carnaval

Mesmo conservador, cronograma vai permitir a realização de eventos-teste, conta o prefeito Eduardo Paes

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Do Metrópoles

Com um calendário de vacinação classificado como conservador pelo prefeito Eduardo Paes, o Rio planeja eventos-teste e comemorações como Réveillon e Carnaval em 2022.

Os planos, entretanto, dependem de o Ministério da Saúde cumprir a entrega das remessas de vacina para a imunização dos cariocas. Todas as 34 regiões administrativas da cidade seguem em risco alto de contaminação.

Na próxima semana, o prefeito deverá publicar decreto contemplando regras e protocolos para a realização de eventos, que, entre outras, deverão ter um laboratório e um médico responsável por garantir que tudo está em acordo com as normas sanitárias. O público deverá ser testado e apresentar laudos negativos para o coronavírus.

Pelo novo calendário, segundo a prefeitura, a meta é vacinar, até o dia 23 de outubro, 4.751.823 cariocas com 18 anos ou mais — o que equivale a 90% da população adulta do Rio.

A Secretaria Municipal de Saúde informa que essa porcentagem já chegou a 33%. Na avaliação do prefeito, “se conseguirmos (cumprir o calendário), vamos ter Réveillon, vamos ter Carnaval”.

“Claro, isso tudo depende da chegada do imunizante, da chegada da vacina. A gente tem tido estabilidade na entrega da AstraZeneca”, disse o prefeito. “Se eu pudesse definir (o sentimento), seria “a gente vai ter Carnaval”, completou

“Vamos mover montanhas para que esse cronograma consiga ser cumprido. Vamos agir com toda transparência, como temos feito, cobrando o governo federal e o Ministério da Saúde. Quando o Butantan recebe doses na segunda-feira e só há distribuição na quinta, temos atraso de um dia, atraso angustiante para quem precisa”, afirmou.

O prefeito também abordou a possibilidade de atraso na entrega dos insumos necessários para a fabricação da vacina produzida pela Fiocruz. O instituto prevê a chegada de uma nova remessa de ingredientes farmacêuticos ativos (IFA) no próximo dia 22. Até lá, contudo, a Fiocruz admite interrupção momentânea na produção da vacina. Nesta quinta-feira, o instituto informou que os estoques de IFA disponíveis são suficientes para sustentar a fabricação até o fim desta semana. Paes espera que a questão “seja resolvida”:

“O novo calendário existe para que as pessoas possam cobrar e a gente também possa cobrar. Recebemos dados oficiais, que vão sendo informados pelo Ministério da Saúde. Vamos cobrar para que esses dados se concretizem”, disse.

O prefeito reiterou o desejo de voltar a vacinar professores e trabalhadores de limpeza urbana até o fim de maio, junto com pessoas com comorbidades.