Imagem: Freepik

Coquetel aprovado pela Anvisa reduz em 87% casos graves de covid-19

Tratamento com anticorpos é indicado para pacientes a partir dos 12 anos, com sintomas leves da doença e alto risco de evoluir para quadros graves

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Da Catraca Livre

O coquetel contra a covid-19 que teve autorização para uso emergencial nesta semana pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) previne em até 87% a evolução para casos graves da doença.

Desenvolvido pela farmacêutica Eli Lilly, o tratamento combina dois anticorpos monoclonais, o bamlanivimabe e etesevimabe, e é indicado para pacientes a partir dos 12 anos, com sintomas leves da doença e alto risco de evoluir para quadros graves.

Esse é o segundo coquetel de anticorpos aprovado pela Anvisa. O primeiro, autorizado em 20 de abril, era formado pelos anticorpos monoclonais casirivimabe e imdevimabe, da farmacêutica Roche.

Como funcionam os anticorpos monoclonais

Os anticorpos monoclonais são cópias idênticas de um anticorpo produzido naturalmente pelo organismo. Os cientistas conseguem criá-los em laboratório com a missão de neutralizar o vírus.

A aplicação do coquetel é única e intravenosa, portanto, só pode ser feita em ambiente hospitalar. O resultado da aplicação tende a aparecer após os três primeiros dias, quando a carga viral começa a diminuir.

O tratamento com anticorpos não é algo novo, ele tem sido usado há anos para combater infecções virais, como o Ebola, por exemplo.

Os anticorpos monoclonais ficaram bem conhecidos quando o então presidente dos Estados Unidos Donald Trump fez uso do tratamento da farmacêutica Regeneron, quando foi diagnosticado com covid-19.