Foto: Cristine Rochol/PMPA

55 mil vidas foram preservadas por causa da vacinação contra Covid-19 no Brasil, diz Fiocruz

Pesquisa também aponta que houve queda entre 96 mil e 117 mil no número de internações pelo coronavírus

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que a vacinação já evitou entre 40 mil e 55 mil mortes em decorrência da Covid-19 no Brasil. O trabalho também estima uma redução entre 96 mil e 117 mil internações relacionadas à doença.

Segundo o pesquisador Marcelo Gomes, autor do trabalho, as projeções indicam o impacto alcançado pela campanha de vacinação no país. “Os números reforçam e ilustram de forma mais palpável a eficácia das vacinas. Mostram como a vacinação faz toda a diferença na redução de casos graves e mortes e o quanto é importante voltar para tomar segunda dose”, explicou em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta quarta-feira (21/7).

Somente no estado de São Paulo, a redução estimada na quantidade de casos graves da Covid-19 foi entre 24 mil e 35 mil, e na de mortes, entre 10 mil e 17 mil. As estimativas foram projetadas considerando as proporções dos números de casos e óbitos registrados após o pico da segunda onda da pandemia, entre pessoas acima dos 60 anos.

Especialistas explicam que a vacina não impede o contágio, mas evita que a pessoa infectada desenvolva as formas severas da doença, o que leva muitos à hospitalização e em alguns casos, à morte. Por isso a recomendação é que a vacinação seja completa, com as duas doses.

A disseminação rápida da variante Delta pelo mundo também preocupa. Mais contagiosa do que as outras cepas do coronavírus, a Delta tem freado planos de reabertura econômica na Europa devido à elevação da taxa de transmissão. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, até o momento nove estados registraram infecções pela Delta. “O cenário de transmissão do vírus ainda é extremamente preocupante. O volume de casos graves e mortes ainda é muito alto”, considera Gomes.

Nesse cenário, governos têm utilizado a estratégia de diminuir o intervalo entre as aplicações das doses das vacinas AstraZeneca e Pfizer, como no caso do Rio de Janeiro. A justificativa para a mudança é ter uma parcela maior da população com o esquema vacinal completo. Essa redução tem sido de doze para dez ou oito semanas.

A medida, no entanto, não tem respaldo entre os especialistas. A própria Fiocruz, que é responsável por produzir o imunizante da Oxford/AstraZeneca no Brasil, se posicionou contra a redução do intervalo entre as doses.

Metrópoles