Alerta Ômicron! Mulher que chegou da África testa positivo para Covid-19; ela está internada em MG

Alerta Ômicron! Mulher que chegou da África testa positivo para Covid-19; ela está internada em MG

Ela confirmou às autoridades de saúde que não foi vacinada contra a doença
Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo/Arquivo

Compartilhe esta notícia

Do Catraca Livre

Uma mulher recém-chegada do Congo, na África, foi internada nesta segunda-feira, 29, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Ela foi diagnosticada com Covid-19 e está em isolamento no hospital. Ainda não é possível saber se ela foi infectada pela nova variante Ômicron.

Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, a mulher tem 33 anos e não está vacinada contra a doença. Ela partiu do Congo em 17 de novembro, passou pela Turquia e, três dias depois, desceu em São Paulo. No mesmo dia em que pisou no Brasil, viajou direto para a capital de Minas.

Os primeiros sintomas foram percebidos por ela em 22 de novembro. Porém, a mulher procurou atendimento médico em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) apenas no último domingo, 28.

Questionada pelas autoridades de saúde sobre a vacina contra a Covid-19, a mulher confirmou não ter recebido. Ela disse que realizou um teste para detecção da doença antes do embarque, no Congo, e que o resultado teria dado negativo.

As autoridades de saúde de Minas estão monitorando o caso para verificar se a mulher foi infectada com a variante Ômicron. Até o momento nenhum caso da variante foi identificado em estado.

Foto: Freepik

“A equipe da unidade realizou o atendimento conforme os protocolos, comunicou ao Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), solicitou teste rápido, com resultado positivo, sendo solicitada a realização de genotipagem do vírus. A paciente foi internada em leito de isolamento e será encaminhada para o Eduardo de Menezes”, falou a prefeitura de BH.

A contaminação da mulher foi detectada em um teste rápido. Após isso, ela foi submetida a um exame PCR e o material coletado deve passar por sequenciamento genético Fundação Ezequiel Dias (Funed).

A África tem registrado a maioria dos casos confirmados de infecções pela variante do coronavírus Ômicron. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Ômicron vai se espalhar internacionalmente, mostrando um risco global “muito alto” de surtos de infecção por Covid-19 que podem ter “consequências graves”.

Nenhum morte relacionada à Ômicron foi relatada até o momento, embora mais pesquisas sejam necessárias para analisar o potencial da nova variante de escapar da proteção contra a imunidade que é induzida por vacinas e infecções anteriores.

Sintomas da Ômicron, segundo a Associação Médica da África do Sul

Apesar de todas as incógnitas sobre a nova variante Ômicron, do coronavírus, os sintomas até agora observados nas pessoas infectadas parecem não apresentar formas mais agravadas. Segundo a médica Angelique Coetzee, presidente da Sama (Associação Médica da África do Sul), dores musculares, cansaço e mal-estar por 1 ou 2 dia foram as queixas mais relatadas.

Angelique foi quem diagnosticou os primeiros pacientes com a variante. Em entrevista ao Fantástico, ela disse que considera precipitadas as medidas restritivas que suspenderam os voos de países africanos.

“Precisamos observar a evolução do quadro clínico dos pacientes porque, por enquanto, só estamos observando sintomas leves”, afirmou.

Ainda segundo ela, os primeiros sete pacientes infectados pela variante que passaram por ela se queixaram de cansaço extremo, dores no corpo e de cabeça.

Eles não apresentavam tosse, nem perda de olfato, sintomas clássicos da covid-19.

A médica também disse que a Ômicron causou raras internações nos hospitais. A maioria dos pacientes está se recuperando em casa.

Características da nova variante

A Ômicron surpreendeu os cientistas pelo número alto de mutações, o maior visto até agora. São 50 no total, com cerca de 32 só na proteína spike, parte do vírus utilizada para entrar nas células e alvo da maioria das vacinas contra a covid-19.

Justamente por conta desse número de mutações, a Ômicron foi classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma variante de preocupação.

“A evidência preliminar sugere um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outras VOCs (variantes de preocupação)”, disse a OMS.

Ainda segundo a entidade, a variante foi detectada em taxas mais rápidas do que surtos anteriores de infecção, sugerindo que possa ter “uma vantagem de crescimento”.

Situação no Brasil

No Brasil, até o momento, não há nenhum caso da variante confirmado, porém as autoridades de saúde estao monitorando um homem que testou positivo para covid-19 depois de desembarcar em São Paulo vindo da África do Sul.

Ele está isolado e o caso foi encaminhado ao Instituto Adolfo Lutz para sequenciamento do vírus. O resultado do exame deve sair nos próximos dias.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade