Indígenas são atacados por PMs e fazendeiros após retomarem terras

Indígenas são atacados por PMs e fazendeiros após retomarem terras

Cimi teme que episódio se transforme em um novo massacre contra os povos Guarani Kaiowá. Confira a nota da Aty Guasu
Foto: Divulgação/Aty Guasu

Compartilhe esta notícia

Revista Fórum – Após indígenas dos povos Guarani Kaiowá retomarem parte do território de Guapoy, no município de Amambai (MS), fazendeiros e policiais militares promoveram um ataque na região que deixou indígenas gravemente feridos. A ação – uma tentativa ilegal de reintegração de posse sem qualquer mandado judicial – aconteceu na manhã desta sexta-feira (24).

Segundo o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), os policiais dispararam tiros de bala de borracha contra os indígenas, deixando ao menos seis feridos – dois foram transferidos para a capital Campo Grande. Há relatos de indígenas mortos, os quais não foram confirmados pelo Cimi. Policiais também ficaram feridos.

O Cimi teme que o episódio se transforme em uma novo massacre contra os Guarani e Kaiowá na região, similar a um ocorrido em 2016, em Caarapó (MS).

A Assembleia Geral do povo Kaiowá e Guarani divulgou uma nota nesta sexta alertando para a gravidade do ocorrido. Segundo eles, a ação foi conduzida por pistoleiros e policiais e há dezenas de indígenas feridos, desaparecidos e mortos.

A reserva de Amambai é a segunda maior do estado de Mato Grosso do Sul em termos populacionais, com quase 10 mil indígenas. Para os Guarani Kaiowá, Guapoy é parte de um território tradicional que lhes foi roubado – quando houve a subtração de parte da reserva de Amambai. Os indígenas clamam atenção, exigem proteção às suas vidas e seus direitos.

Confira a nota da Aty Guasu:

URGENTE E EMERGENCIAL! SOCORRO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA E AMBULÂNCIA!

Tropas de choque da polícia militar de MS, sem ordem judicial atacam fazem chacina e ferem, ação genocida neste momento contra comunidade Guarani e Kaiowa no município de Amambai, Guapo’y Mirim.

Dezenas de indígenas feridos e desaparecidos, e mortos.

Precisamos de ASSISTÊNCIA MÉDICA E AMBULÂNCIA.

Pedimos JUSTIÇA.

Voltamos logo com nova informação, se quantas indígenas feridos e mortos pela polícias militares e jagunços do fazendeiros do estado de Mato Grosso do Sul.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade