Procuradora espancada por colega conta detalhes da agressão sofrida – Porto Alegre 24 horas

Procuradora espancada por colega conta detalhes da agressão sofrida

Em entrevista à filiada da TV Globo no litoral de SP, a vítima falou sobre o comportamento anterior do agressor e como tudo aconteceu
Foto: TV Tribuna/Reprodução

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A procuradora municipal de Registro (SP) Gabriela Samadello Monteiro de Barros, que foi brutalmente agredida por um outro procurador da cidade, Demétrius Oliveira de Macedo, seu subordinado, na tarde de segunda-feira (20), num episódio de violência que viralizou nas redes sociais e chocou o país, deu entrevista à TV Tribuna, filiada da TV Globo no litoral de São Paulo, e contou detalhes sobre o comportamento do servidor. Ela confirmou que ele seria investigado por conta de sua conduta hostil no ambiente de trabalho, e disse que esperava uma reação de Demétrius, mas que não pensou que algo do tipo fosse acontecer.

“Eu tinha medo, sim. Tinha medo de que fosse acontecer isso, mas não imaginava que fosse ser uma violência física, achava que fosse um bate-boca, uma discussão”, falou a vítima.

Gabriela narrou como a agressão teve início e os momentos de pânico ao receber socos, cotoveladas e pontapés do procurador.

“Eu estava saindo da repartição quando ele veio em direção a mim de forma violenta e me desferiu uma cotovelada. Fui arremessada contra a parede. E ele começou a bater muito em mim, desferir muitos golpes. Socos e pontapés. Chutou muito o meu rosto”, contou, abalada e ainda com o rosto cheio de hematomas.

Foi após levantar, ainda zonza, e com a ajuda de uma amiga da procuradoria municipal, que Gabriela conseguiu se livrar dos golpes covardes de Demétrius.

“Ela ficou prensada contra a porta. Levantei cambaleando, ele desferiu mais um soco no rosto. Consegui escapar para a sala da Thais, que é nossa outra colega procuradora. Ela trancou a porta, e ai chegaram as outras pessoas da sala ao lado, que ouviram meus gritos de socorro”, concluiu a procuradora-geral de Registro. (Revista Fórum)

Mais noticias do Porto Alegre 24 horas

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade