Foto: Reprodução/Globo News

Delegado dá voz de prisão a advogado que orientou clientes a ficarem caladas

O advogado recebeu ordem de prisão, após orientar suas clientes a permanecerem caladas durante interrogatório e a não fornecerem as senhas de seus telefones celulares.

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Direto da redação:
Um advogado recebeu ordem de prisão por parte de um delegado, após orientar suas clientes a permanecerem caladas durante interrogatório e a não fornecerem as senhas de seus telefones celulares. O caso aconteceu na 7ª Delegacia Seccional de Itaquera, em São Paulo, na madrugada deste sábado (15). As duas mulheres são suspeitas de estelionato.

De acordo com relatos, o advogado criminalista Eder Canavan fazia as recomendações para que as clientes usassem o seu direito constitucional de permanecer em silêncio e por conta disto recebeu voz de prisão do delegado Marcio Fruet Pereira Araujo.

Ele foi indiciado por coação de testemunha. Dezenas de advogados compareceram à delegacia em defesa do colega, e segundo informações, o Ministério Público prontamente se manifestou pela liberdade provisória do defensor.

A Corregedoria da Polícia Civil compareceu ao local e se reuniu com cinco advogados que compareceram ao local. A OAB-SP informou, por meio de nota, que já estava ciente do caso e que adotaria as medidas necessárias para garantir as prerrogativas do advogado. Criminalistas que foram à delegacia, no entanto, se queixaram da demora da Ordem em comparecer ao local. O alvará de soltura em favor do advogado e de suas clientes já foi expedido. (ConJur)