Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News

Uma baleia de 38 pés (11,5 metros) de comprimento que surgiu na costa Flórida, nos Estados Unidos, em janeiro de 2019, se revelou uma espécie completamente nova. E já é considerado ameaçado, dizem os cientistas.

Quando o enorme cadáver do animal apareceu ao longo de Sandy Key, abaixo do peso e com um pedaço de plástico duro em seu intestino, os cientistas pensaram que era uma subespécie da Baleia-de-bryde, uma espécie de baleia de barbatana do mesmo grupo que inclui baleias jubarte e azuis. Essa subespécie foi chamada de baleia de Rice.

Agora, após a análise genética de outras baleias de Rice, juntamente com um exame do crânio da baleia Everglades, os pesquisadores pensam que, em vez de uma subespécie, a baleia de Rice é uma espécie inteiramente nova que vive no Golfo do México.

A descoberta, detalhada em 10 de janeiro na revista Marine Mammal Science, também significa que existem menos de 100 membros dessa espécie vivendo no planeta, tornando-os “criticamente ameaçados de extinção”, de acordo com um comunicado da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA)

De acordo com o estudo, os pesquisadores analisaram registros da baleia Bryde no Caribe e no grande Oceano Atlântico e concluíram que as baleias que avistaram eram evidências “de uma espécie não descrita de Balaenoptera do Golfo do México”.

A principal autora do estudo, Patricia Rosel, e sua coautora, Lynsey Wilcox, ambos do Southeast Fisheries Science Center, completaram os primeiros testes genéticos dessa baleia em 2008, descobrindo que o crânio da baleia do arroz era diferente do das baleias de Bryde.

Sciencealert.com