Pesquisadores encontram novo coronavírus na retina de pacientes – Porto Alegre 24 horas
Foto: Freepik

Pesquisadores encontram novo coronavírus na retina de pacientes

As proteínas do vírus foram observadas nas células endoteliais, que revestem os vasos sanguíneos

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Pesquisadores das universidades federais de São Paulo (Unifesp) e do Rio de Janeiro (UFRJ) identificaram a presença de partículas do Sars-CoV-2 na retina de pacientes que morreram devido a complicações da covid-19. Os resultados da pesquisa foram publicados no periódico JAMA Ophthalmology.

Para fazer essa identificação, entre junho e julho de 2020, os pesquisadores fizeram a remoção post-mortem do globo ocular dos pacientes usando tecnologia de transplantes de córnea. O tecido da retina foi analisado por meio de técnicas como imunofluorescência, imuno-histoquímica e microscopia eletrônica de transmissão. Os dados foram correlacionados com as informações clínicas obtidas durante o período de internação hospitalar.

“As proteínas do vírus foram observadas nas células endoteliais [que revestem os vasos sanguíneos], próximo à chama capilar e às células das camadas nucleares interna e externa da retina. Na região perinuclear dessas células, foi possível observar, por microscopia eletrônica de transmissão, vacúolos de membrana dupla consistentes com o vírus”, conta Rubens Belfort Júnior, professor da Escola Paulista de Medicina da Unifesp e coordenador da investigação.

Para os pesquisadores, a presença dessas partículas virais não só reforça a possibilidade de manifestações clínicas oculares da infecção como acende um importante sinal de alerta para a possibilidade de o vírus estar diretamente relacionado a alterações em diversas partes do corpo, inclusive neurológicas. Também levanta a possibilidade de os tecidos oculares constituírem santuários de persistência viral.

“Agora, está claro que, após a infecção inicial no sistema respiratório, o vírus pode se espalhar por todo o corpo, atingindo diferentes tecidos e órgãos. Assim, as descobertas podem ajudar a elucidar a fisiopatologia do vírus e seus mecanismos etiológicos, o que pode permitir melhor entendimento das sequelas da doença e direcionar alguns caminhos de pesquisas futuras”, conclui o professor.

* Com informações da Assessoria de Imprensa da Unifesp.

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP. Leia o original aqui.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade