Estudo identifica síndrome em crianças relacionada à covid-19 – Porto Alegre 24 horas
Foto: FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

Estudo identifica síndrome em crianças relacionada à covid-19

Síndrome Inflamatória Pediátrica Multisistêmica é rara, mas pode causar inflamação grave dos órgãos e levar à morte

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Uma equipe de pesquisadores do Hospital Monte Sinai, em Nova York, nos Estados Unidos, identificou uma pista importante sobre a origem da PIMS (Síndrome Inflamatória Pediátrica Multisistêmica), uma rara consequência associada ao novo coronavírus, que afeta crianças e pode causar mortes.

A maioria dos menores de idade infectados pelo patógeno têm sintomas leves, mas alguns desenvolvem esta PIMS, que inflama gravemente órgãos e tecidos como coração, os pulmões, os rins, o aparelho digestivo, o cérebro, a pele e os olhos.

Esta PIMS é considerada uma síndrome (um conjunto de sinais e sintomas), não uma doença, porque há muitas questões que ainda são desconhecidas, como a causa e os fatores de risco.

A maioria das crianças que são afetadas por esta síndrome tem de 3 a 12 anos, e as mais afetadas, tem uma idade média de 8 anos.

Apenas nos Estados Unidos, desde o início da pandemia da covid-19, foram notificados 2,6 mil casos desta PIMS.

Até agora, os pesquisadores do Monte Sinai de Nova York descobriram que determinadas células do sistema imunológico que combatem a infecção estão pouco ativadas nas crianças com esta PIMS, e que isso é associado a uma resposta inflamatória constante, uma marca distintiva do SARS-CoV-2.

O estudo, que foi publicado nesta quarta-feira na revista científica Nature Communications foi feito a partir do sequenciamento do RNA das amostras de sangue infectadas com o patógeno que estão armazenadas no Monte Sinai.

Graças a um amplo estudo, os pesquisadores deram um passo importante ao obter novas vias de exploração, que indicam complexas redes e subredes de genes, analisados em casos pediátricos desta PIMS e de covid-19 no hospital de Nova York.

Uma das mais significativas destas redes de genes implicava na supressão de dois tipos de células imunológicas, as NK (células assassinas naturais) e as células T CD8+.

Pesquisas prévias tinham mostrado que quando as células T CD8+ combatem de forma persistente aos agentes patógenos, entram em estado de “esgotamento” e perdem a eficácia e a capacidade de proliferação.

O novo estudo indica especificamente que nos casos desta PIMS, as células T CD8+ estão nesta situação, o que debilitaria a resposta imunológica inflamatória.

Além disso, o estudo também revela que o aumento das células NK está associado às células T CD8+ fragilizadas.

“Nosso estudo descobriu que o esgotamento das células T nos pacientes com esta PIMS é um dos possíveis fatores que impulsionam a doença, o que sugere que um aumento, tanto das células NK, como das células T CD8+ esgotadas em circulação, poderia melhorar os sintomas da Noam Beckmann, professor da Faculdade de Medicina Icahn.

O estudo, além disso, encontrou nove reguladores chave desta rede de genes e apontam que, um deles, o TBX21 é um alvo terapêutico promissor.

Fonte: R7

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade