O que se sabe sobre a variante Ômicron e casos de Covid prolongada

O que se sabe sobre a variante Ômicron e casos de Covid prolongada

Especialista comenta que todas as variantes do coronavírus podem causar quadros de Covid longa e Ômicron tem maior persistência de fadigas
Foto: gsk-omicron

Compartilhe esta notícia

A variante Ômicron foi identificada pela primeira vez em novembro de 2021, na África do Sul. A cepa, que demonstra ser mais transmissível, vem causando um aumento de casos de Covid-19 por todo o mundo. Por ser considerada recente, não há evidências consistentes sobre como a nova versão do coronavírus pode se relacionar com a Covid prolongada.

O infectologista do Hospital Santa Lúcia, Werciley Júnior, explica que todas as variantes do coronavírus podem causar Covid longa. Entretanto, a situação está vinculada à situação do paciente. “Quadros mais proeminentes, ou seja, mais intensos, da doença possuem uma tendência a desenvolver sintomas prolongados”, afirma o especialista.

Júnior comenta que os sintomas comuns causados pela Ômicron são muitos semelhantes aos gerados por outras cepas, mas a variante parece causar fadiga muscular que dura mais tempo.

“O que a gente tem visto é que a Ômicron é uma cepa menos agressiva, mas não podemos afirmar que ela é menos gave por si só ou porque a gente está vacinado. Atualmente, ela é responsável por 90% dos pacientes diagnosticados”, afirma.

A questão, segundo o especialista, é que as vacinas têm a tendência de proteger e diminuir as crises de Covid prolongada. Entretanto, é necessário identificar como a imunização atua em situações onde o coronavírus persiste por mais tempo.

Uma pesquisa da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, sugere que a maioria dos pacientes com casos moderados ou graves de Covid-19 tinha pelo menos um sintoma de longo prazo. O artigo foi publicado em junho de 2021, antes da variante Ômicron, e descobriu que quase três quartos das pessoas continuaram a sofrer sintomas mesmo após o fim da infecção. Eles analisaram quase 10 mil pessoas.

O sinal mais comum da doença era fadiga ou exaustão, relatado por cerca de 40% dos pacientes com a chamada Covid longa. Outros 36% disseram ter falta de ar e 29,4% relataram distúrbios do sono ou insônia. Cerca de 25% disseram apresentar dificuldades de concentração e 11% perderam o paladar.

Novas variantes
Cientistas de institutos dos Estados Unidos alertaram, em agosto de 2021, que é preciso acompanhar com maior atenção a Covid persistente em pessoas com a imunidade comprometida, pois a infecção pode gerar variantes mais transmissíveis e até mais graves do Sars-CoV-2.

“As descobertas de que pacientes imunocomprometidos com infecção persistente de Covid-19 podem gerar variantes mais transmissíveis ou patogênicas de Sars-CoV-2 implicam uma série de medidas médicas e de saúde pública”, afirmou o estudo publicado no New England Journal of Medicine.

“O vírus pode persistir por semanas ou meses em indivíduos imunocomprometidos, levando a cepas que carregam uma constelação de mutações — algumas delas se parecem com as variantes de preocupação que atualmente ameaçam nossos esforços de controle”, destacou Morgane Rolland, geneticista do Programa de Pesquisa Militar do HIV dos EUA e uma das principais autoras do artigo.

Vacinação e Covid longa

Segundo estudo publicado na revista científica, duas doses da vacina contra o coronavírus diminuem o risco de ter Covid persistente pela metade. Além disso, os sintomas mais comuns da Covid-19, como perda de olfato, tosse, febre, dor de cabeça e fadiga também são mais leves e menos comuns em quem já tomou as duas doses do imunizante.

Fonte: Metropoles

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade