Teatro Renascença apresenta show em homenagem à mulher negra

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp




Com apoio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, por meio da Coordenadoria do Povo Negro da Diretoria dos Direitos Humanos, estreia nesta quarta-feira, 9, às 19h30 no Teatro Renascença, o espetáculo As Teresas, da companhia de dança Brazil Estrangeiro. Ingressos a R$ 20.

O espetáculo foi criado com inspiração na vida de Teresa de Benguela para trazer à luz exemplos de força e resistência feminina, tão aclamadas nos dias atuais. Além disso, é uma homenagem a todas as mulheres negras, latino-americanas e caribenhas pelo seu dia comemorado em 25 de julho. O show musical reúne diversos artistas negros consagrados no cenário do Rio Grande do Sul com teatro, dança, música e poesia retratando marcas da ancestralidade africana feminina – no cabelo, na pele, nas cores e desenhos das roupas, no batuque dos tambores e na história de vida de mulheres de luta e resistência.



Teresa de Benguela – A história negra do Brasil é contada de diferentes formas, sujeitos e versões. Muitos são os heróis e símbolos representam e fazem parte das raízes do povo negro, como Zumbi, Dandara, Luiz Gama, Carolina de Jesus, e muitos outros cantos e danças da resistência afro brasileira. Uma delas é Teresa de Benguela que, apesar da pouca representatividade na história oficial do país, é comparada ao líder negro Zumbi dos Palmares. A “Rainha do Pantanal” do período colonial viveu no Mato Grosso no século XVIII como líder quilombola e resistiu à escravidão por duas décadas, companheira de José Piolho, que chefiava o Quilombo do Quariterê, nos arredores de Vila Bela da Santíssima Trindade, Mato Grosso. Quando José Piolho morreu, Teresa assumiu o comando daquela comunidade quilombola e liderou levantes de negros e índios em busca da liberdade revelando-se uma grande líder.

Dia 25 de julho – Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. A data foi instituída no calendário feminista no 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, que aconteceu em 1992, na República Dominicana. No Brasil, é também Dia de Teresa de Benguela. A Lei 12.987/2014 inclui o dia no calendário comemorativo brasileiro. (PMPA)