Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News

O ator e ex-diretor da Globo Marcius Melhem revelou algumas das mensagens trocadas com a atriz Dani Calabresa. Ele pretende provar, na Justiça, que os dois mantinham uma relação íntima e amigável entre os anos de 2017 e 2019, época em que, segundo uma reportagem recente publicada na revista Piauí, ele a teria assediado moral e sexualmente.

A defesa Melhem enviou uma notificação extrajudicial para Calabresa, assinada pelos advogados José Luis Oliveira Lima e Ana Carolina Pivoesana, como medida preparatória para fundamentar um futuro processo contra a revista Piauí e a atriz.

Entre as sete conversas reproduzidas no documento, está uma mensagem de voz enviada por Calabresa no dia 12 de novembro de 2017, oito dias depois da confraternização, em que, segundo a reportagem-denúncia, ela teria sofrido assédio sexual de Melhem.

Na data, dia de seu aniversário, Calabresa enviou mensagem a Melhem agradecendo a ele por uma postagem que fez no grupo de WhatsApp do programa “Zorra”, da TV Globo, em que ele a felicitava. No áudio ela teria se definido como fã de Melhem, dito “eu te amo” e até proposto uma viagem à Disney com as filhas do ator, que então ocupava o cargo de redator final do núcleo de humor da TV Globo — ele foi demitido em agosto deste ano, depois de 17 anos de trabalho na emissora.

“Chefe, estou mandando este áudio para agradecer a mensagem linda que você mandou no grupo. Todas as mensagens que você manda sempre de apoio e de carinho. Nossa, você não tem ideia como fico feliz de saber que você me acha talentosa. Eu sou sua fã para caralho”, afirma Calabresa na mensagem, citada pelo jornal Folha de S. Paulo.

A Folha também afirma que, na mensagem de voz, Calabresa agradece a Melhem pelo que chamou de um “trabalho tão legal”. “Estou muito feliz de verdade. Te amo muito. Um beijo para as suas filhinhas lindas. Vamos para a Disney juntos”.

Procurada pelo jornal, Calabresa se manifestou por meio da advogada Mayra Cotta. Em nota, ela diz que a “interpelação repete estratégia comum a casos similares”.

“Objetiva intimidar não apenas uma vítima específica mas outras que ainda permanecem protegidas sob sigilo e até mesmo testemunhas, como se isso fosse capaz de apagar os graves fatos narrados e cuidadosamente checados com dezenas de pessoas citadas pelas matérias.”

Melhem, por sua vez, disse estar se defendendo do que chamou de “narrativa falsa” sobre a qual Calabresa ainda não se manifestou. “Estou numa encruzilhada por parte da opinião pública. Se mostro alguma coisa, estou expondo as vítimas. Se vou para a Justiça, estou intimidando a advogada”, disse ele. “Me defendo onde?”

Sobre a revelação de trechos de suas conversas com Calabresa, o ator afirma estar mostrando um trecho minúsculo, que não expõe a atriz.

“Estou mostrando coisas que expõem a relação amistosa que temos. Não é expor uma suposta vítima. Estou mostrando que eu e a suposta vítima tínhamos uma relação no período que a revista diz que ela estava traumatizada comigo”, diz. “É só para contrapor uma narrativa falsa.”

Para atestar a veracidade dos diálogos, Melhem contratou ainda uma empresa especializada que realizou procedimentos forenses de coleta e guarda das mensagens, o que comprovaria a integridade dessas informações.

Na notificação, a defesa de Melhem afirma que toda a correspondência posterior entre eles também evidencia que a relação pessoal e profissional dos dois “se manteve harmoniosa, com a mesma afetuosidade, nos meses e nos anos seguintes à festa” que foi relatada pela revista Piauí.

Como exemplo, foi reproduzido um trecho de uma mensagem enviada em novembro de 2018, um ano depois daquela festa. “Ai, te ‘aminho’, muito, muitas saudades, pena que a gente se encontra pouco, mas eu sinto uma intimidade que, assim, eu posso mandar áudio, eu posso mandar mensagem a qualquer hora.” A interpelação inclui ainda mensagens em que a atriz chama Melhem de “o mais profissional dedicado caprichoso ‘workaholiquinho'” e “ciborguinho”.

A inclusão do trecho é uma tentativa de desqualificar a narrativa, atribuída a ex-subordinadas de Melhem, segundo a qual Calabresa teria ficado traumatizada depois de ser assediada por ele.

“Não forcei Dani Calabresa a nada naquela noite”, disse Melhem à Folha, acrescentando que só revelará na Justiça sua versão do que aconteceu naquela noite, mas que “as comunicações apontam a existência de uma relação saudável, permeada por afeto e respeito profissional mútuo, que perdurou sem qualquer tipo de desavença até maio de 2019”.

Ele também registrou uma mensagem da tarde de 5 de novembro de 2017, no grupo do “Zorra”, em que Calabresa cumprimentou os organizadores do evento da véspera definindo a noitada como “festa ‘bapho'”.

Ao justificar sua decisão de interpelar a atriz, Melhem disse que Calabresa nunca tocou no seu nome, mas que “o modo com que vem se comportando nas redes sociais dá a entender que ela concorda” com as acusações. “Preciso saber se ela concorda. Se ela concordar, é totalmente inverídica, aí a gente tem que estudar que medidas tomar”, acrescentou o ator.

A notificação reproduz uma postagem da própria Calabresa como indício de que a reportagem “apresentou informações falsas”. Em setembro de 2017, a atriz publicou uma imagem em que corre na praia durante a gravação de um quadro em que interpreta uma salva-vidas sensual.

Segundo a revista Piauí, Melhem teria visitado Calabresa no camarim dos estúdios da Globo para ver seu corpo no maiô antes da gravação. Nada disso teria acontecido. As cenas foram gravadas na praia de Grumari, na zona oeste do Rio de Janeiro, e sem a presença de Melhem. Por isso, a defesa do ator confronta Calabresa para que ela se pronuncie sobre o episódio.

A Folha inclui a informação de que integrantes do núcleo de humor da Globo testemunharam a desavença que supostamente teria criado a crise entre Calabresa e Melhem. Ela não teria componente sexual.

Segundo relato publicado pelo jornal, a briga aconteceu na noite de 3 de maio do ano passado, durante a leitura do piloto do que viria a ser o programa “Fora de Hora”. Escalada como âncora de um telejornal satírico em que contracenaria com o ator Paulo Vieira, Calabresa, segundo testemunhas, assistiu à bem-sucedida performance do ex-marido, o humorista Marcelo Adnet, e se queixou do texto reservado a ela.

Sentado entre ela e Melhem, Vieira, de acordo com relatos, ouviu Calabresa dizer que preferiria contracenar com Bento Ribeiro, seu colega no antigo programa “Furo”, da MTV, na bancada do telejornal.

Em resposta, Melhem teria dito que Vieira, um artista em ascensão, já era o escolhido e que Ribeiro sofria resistência entre os autores e a direção artística do programa.

Segundo participantes, Calabresa chorou, repetindo que aquele não era o “Furo”, programa que estrelara dez anos antes ao lado de Ribeiro, na MTV. Melhem respondeu que não reproduziria um humorístico exibido uma década atrás.

A esta altura às lágrimas, segundo relatos, Calebresa perguntou se ao menos poderia levar autores de sua confiança para o programa. Melhem, de acordo com testemunhas, reagiu, exaltado, em defesa da equipe que redigiu o piloto, dizendo que naquele time estavam os melhores redatores do país e destacando o seu próprio talento como roteirista.

O desentendimento precipitou o fim da reunião. Os participantes deixaram o apartamento de Melhem enquanto um grupo, incluindo ele, tentava tranquilizar a atriz. Dois redatores foram encarregados de se reunir com Calabresa na semana seguinte para a elaboração de um texto que a agradasse. Mas não houve acordo.

Na terça-feira, dia 7 de maio, Melhem repreendeu a atriz e disse que repensava sua escalação para a bancada do programa. “Você chorar, reclamar que não tem seus autores, que tinha ator demais humilhou muita gente que chorou depois também”, ele escreveu, segundo a notificação extrajudicial encaminhada à atriz.

Esta história já tinha circulado anteriormente. O colunista Mauricio Stycer apurou em março passado que o desentendimento tinha ocorrido no processo de criação do programa “Fora de Hora”, no primeiro semestre de 2019. Na época, Stycer escreveu que atriz queria que, em vez de um projeto novo, a emissora reeditasse o programa “Furo”, que ela apresentou em parceria com Bento Ribeiro na MTV, entre 2009 e 2012.

Melhem jamais teria considerado a opção de reviver o “Furo” na Globo, mas Calabresa foi escalada para ser a apresentadora do “Fora de Hora”, ao lado de Paulo Vieira. Em seu texto, Stycer acrescentava a palavra “plágio” às acusações, trazendo à tona uma possível disputa pela autoria do projeto.

Calabresa foi substituída. Com a aprovação do piloto quatro meses depois, ela passou a expressar críticas a Melhem, à época chefe do departamento de humor da TV Globo. Outras mulheres insatisfeitas com o comportamento de Melhem depois se uniram a Calabresa.

Com a eclosão de denúncias de assédio moral e sexual, inclusive de Calabresa, ex-subordinadas de Melhem criaram um grupo de mensagens para encorajar, de forma incisiva, a adesão de outras mulheres. Temendo retaliações, integrantes da equipe pediram que não fossem identificados ao relatar disparos de telefonemas e mensagens para que engrossassem uma campanha contra o ator.

Melhem diz que hoje faz sessões quase diárias de terapia e afirma ter cometido erros nas relações pessoais, como falta de empatia e sensibilidade, além de ter sido infiel em seu casamento. (Terra)