66% dos brasileiros fizeram algum tipo de doação em 2020, aponta pesquisa – Porto Alegre 24 horas

66% dos brasileiros fizeram algum tipo de doação em 2020, aponta pesquisa

Número é inferior a 2015, quando as doações atingiam o índice de 77%; perfil do doador é mulher entre 30 e 49 anos com ensino superior
Foto: Estadão Conteúdo

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Solidariedade. Mais que uma palavra, um comportamento muito praticado ao longo da pandemia da Covid-19. Uma pesquisa do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social junto com o instituto de pesquisas Ipsos mapeou as doações dos brasileiros no ano de 2020. O estudo entrevistou mais de dois mil pessoas, de todas as classes sociais e regiões do pais. Estados do Nordeste tem a população mais solidária (40%), seguido do Sudeste (39%) e Norte (38%). O perfil clássico do doador, segundo a pesquisa, é uma mulher com idade entre 30 e 49 anos, com ensino superior e renda igual ou maior a quatro salários mínimos. Cerca dos 66% dos entrevistados responderam que fizeram algum tipo de doação em 2020.

Esse número é inferior a 2015, quando as doações atingiam o índice de 77%. Segundo a CEO do Idis, Paula Fabiani, isso é explicado pela queda das doações das famílias com renda de até dois salários mínimos — impactadas pela crise econômica. “O que aconteceu é que muitas dessas pessoas se tornaram beneficiarias das doações, começaram a não só receber, auxílio emergencial, mas também ações das ONGs. A boa notícia que essa pesquisa trouxe é que as classes mais privilegiadas se engajaram mais. A gente teve um aumento do percentual de brasileiros doadores a partir de seis salários mínimos.” Outro dado que traz a pesquisa é uma mudança nas causas escolhidas pelos brasileiros para doar. Se em 2015 as prioridades eram campanhas relacionadas a crianças e saúde, em 2020 passou a ser o combate a pobreza.

A pandemia agravou a desigualdade social no país e a fome sensibilizou muitas famílias para mudar esse cenário. E tem mais alteração no comportamento da sociedade observada pela pesquisa. Paula diz que, no passado, os não doadores não tinham receio de admitir isso. Hoje é diferente. “A gente vê que o brasileiro tem vergonha de dizer que não é doador. Então, enquanto em 2015 você tinha não doadores convictos, agora a gente percebe que ser não doador é mal percebido pela sociedade. As pessoas não se posicionam como não doador convicto.” Para 2021, a projeção é boa: 80% dos entrevistados dizem que pretendem manter ou aumentar as doações. Pouco a pouco, vamos aprendendo a ter mais empatia no olhar com o outro. (Jovem Pan)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade