Crise no churrasco: Brasil tem o menor consumo de carne vermelha em 26 anos – Porto Alegre 24 horas

Crise no churrasco: Brasil tem o menor consumo de carne vermelha em 26 anos

Levantamento feito pela Conab aponta que isso se deve a alta constante do preço do alimento nos últimos meses
Foto: Reprodução | RBSTV

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

De acordo com dados da série histórica produzida pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e divulgada nesta quarta-feira (6) o consumo de carne vermelha diminuirá 14% neste ano, se comparado com 2019, antes da pandemia.

Segundo a instituição, é o menor nível registrado para o consumo de carne bovina no Brasil em 26 anos, com o início da série histórica em 1996.

Confira nossos perfis no Instagram, TwitterFacebook e Telegram e tenha acesso a todas nossas notícias.

A carne vermelha, alimento essencial para a realização do churrasco e muito presente na dieta brasileira, acumula alta de 30,7% em 12 meses, de acordo com os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A alta do preço da carne bovina tem obrigado os brasileiros a buscarem substitutos menos nutricionais, tais como pé, pescoço e miolos de galinha.

Cardápio da miséria: carcaça de frango, pelanca, osso, pé de galinha e miojo

Quem entrava em açougues ou supermercados, desde a década de 80, via um cartaz que dizia “temos osso e pelanca para cachorro”. Por mais que a venda desse tipo de “resíduo” de carne bovina sempre estivesse ali, para ser dado ou vendido a preços irrisórios, uma nova prática, bem atual, vem assustando os cidadãos nos últimos tempos: a venda de produtos que seriam praticamente destinados ao lixo, vistos como resto, para a alimentação humana.

O buraco econômico e social cavado por Jair Bolsonaro para enterrar o povo brasileiro fez proliferar por todo território nacional os anúncios que oferecem ossos, carcaças de frango, pés de galinha e pelanca para “reforçar” a dieta de seres humanos que viram seus empregos, renda e dignidade serem implodidos.

No Rio de Janeiro e em Cuiabá, filas imensas se formam para receber como esmola os vergonhosos ossos. Mesma sorte não tiveram os catarinenses, que precisam pagar R$ 4 no quilo do “produto”. Em Niterói, “sambiquira”, ou “dorso”, eufemismos para a carcaça que sobra dos frangos, vêm sendo vendidos por R$ 8,69.

Inflação: Com renda menor, as famílias estão pagando mais caro pelos mesmos produtos, diz economista

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é considerado a inflação oficial do país e ficou em 0,87% em agosto, sendo a maior taxa para o mês desde 2000, apesar de levemente abaixo dos 0,96% registrados em julho.

No ano, o IPCA acumula alta de 5,67% e, nos últimos 12 meses, de 9,68%, acima dos 8,99% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2020, a variação mensal foi de 0,24%.

A economista Juliane Furno explica que “o que pressionou o IPCA e faz a inflação agregada dos últimos 12 meses praticamente chegar aos dois dígitos, foi o preço da gasolina, do etanol, do gás de cozinha, da energia elétrica e da carne. Fora a carne, esses são preços administrados, sofrem influência da desvalorização cambial, mas, sobretudo, responde a critérios políticos, especialmente no caso da Petrobrás que deliberadamente adota uma política sem precedentes para um país produtor e refinador de petróleo em moeda nacional”. (Fórum)

Mais noticias do Porto Alegre 24 horas

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade