Projeto que tira poder dos governadores sobre as polícias militares é adiado

Projeto que tira poder dos governadores sobre as polícias militares é adiado

A ideia originalmente era discutida na lei orgânica das PMs, mas foi retirada após preocupações de especialistas em segurança pública.
Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

Compartilhe esta notícia

Diante de reações negativas até mesmo de comandantes de Polícia Militar, a Comissão de Segurança Pública e Crime Organizado da Câmara adiou a votação do projeto de lei, que seria na terça-feira (3), que retira poder e controle de governadores sobre a Polícia Militar.

Deputados de origem policial da base do governo Jair Bolsonaro ressuscitaram a proposta de instituir a lista tríplice como forma de escolher os comandantes-gerais, criar um mandato de dois anos para eles e dar autonomia orçamentária e blindagem política contra eventual demissão. A pedido da oposição, o presidente da comissão, deputado Aluísio Mendes (Podemos-MA), anunciou que pretende deixar o projeto de lei fora de pauta até após as eleições.

“Dificilmente esse projeto voltará à pauta, meu pensamento é de não pautá-lo tão cedo. Se for decisão unicamente deste presidente, o projeto não voltará à pauta até as eleições”, disse Mendes, com a ressalva de que coloca em votação aquelas propostas que tiveram mais apelo e aval da maioria dos integrantes do colegiado.

Mendes, que é delegado de Polícia Federal, também se disse contra a ideia de limitar a escolha dos comandantes-gerais pelos governadores. “Não existe paralelo no mundo de polícia que se submeta a uma lista tríplice”, disse o presidente da comissão.

A oposição pediu que o projeto de lei não seja mais pautado pelo menos até o fim do período eleitoral, sob argumento de que a proposta teria vínculos diretos com movimentos autoritários que pregam a ruptura democrática.

“Colocá-lo agora no ambiente que o presidente admite não respeitar o resultado das urnas anima essa aventura das vivandeiras que querem romper com o sistema democrático no Brasil, anima aqueles que querem autonomizar as instituições. Esse projeto não deveria ser votado nesse período até o resultado das eleições”, pediu o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).

Ajustes

O deputado Cabo Junio Amaral (PL-MG) disse que aceitaria retirar o projeto de pauta para mudar as propostas. Uma delas seria a necessidade de deputados estaduais ou distritais chancelarem por maioria de votos a demissão do comandante-geral da PM, caso o governador queira substituí-lo antes do fim do mandato de dois anos.

Parlamentares que participaram da discussão do projeto disseram que até mesmo a liderança do governo Bolsonaro pediu ajustes no texto e manifestou ressalvas sobre as propostas. O Planalto apoiou nos bastidores o adiamento da votação, conforme os deputados Subtenente Gonzaga (PSD-MG) e Marcel Van Hattem (Novo-RS). Gonzaga ponderou que considera o debate uma pauta já superada no Congresso, mas de interesse legítimo dos profissionais de segurança e não uma ideia vinculada ao atual governo federal.

A ideia originalmente era discutida na lei orgânica das PMs, mas foi retirada após preocupações de especialistas em segurança pública e até de comandantes. (O Sul)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade