Gaúcha, Nicole Silveira é a melhor brasileira dos Jogos Olímpicos de Inverno
Foto: Alexandre Castello Branco/COB

Gaúcha, Nicole Silveira é a melhor brasileira dos Jogos Olímpicos de Inverno

Ela se tornou a primeira brasileira a competir pelo País no Skeleton.
Foto: Alexandre Castello Branco/COB

Compartilhe esta notícia

A gaúcha Nicole Silveira ficou, neste sábado (12), na 13º posição no Skeleton nos jogos olímpicos de inverno de Pequim (China) e atingiu três feitos relevantes: o segundo melhor resultado brasileiro na história dos Jogos, ficando atrás apenas da snowboarder Isabel Clark, nona colocada nos Jogos de Turim 2006 (Itália).

Além disso, obteve o melhor resultado do esporte na América Latina e conquistou o melhor resultado do Brasil nos esportes de gelo, já que Isabel competiu na neve.

Natural de Rio Grande (RS), com 27 anos, Nicole Silveira fez a primeira descida em 1min02s58. Já a segunda ela terminou com o tempo de 1min02s95. Por fim, 1min02s55 e 1min02s40 foram as terceira e quarta descidas, respectivamente. Ela somou ao todo 4min10s48 no Centro de Esportes de Pista de Yanqing.

Após a disputa, Nicole, que foi a responsável por promover a estreia do País na modalidade nos Jogos de inverno, vibrou com o resultado.

“É muito especial. Eu e o meu treinador conversamos e se ele tivesse me dito que o objetivo era chegar nos Jogos Olímpicos e terminar em 13º, na frente de grandes nomes, eu não teria acreditado. Vendo o que eu consegui aprender e fazer hoje aqui, me mostra que eu tenho potencial, mas que tenho muito a evoluir. Estou muito animada para as próximas temporadas e já quero começar de novo”, disse a atleta.

O ouro no Skeleton foi conquistado pela alemã Hannah Neise, com 4min07s69. Já a australiana Jaclyn Narracott, somando 4min08s24, colocou a medalha de prata no peito. E o bronze ficou com a holandesa Kimberley Bos, 3min06s47.

“Orgulho. Gratidão. Surreal continua sendo uma palavra. Nunca me vi estando em uma posição assim. Sempre pratiquei esportes, sempre tive objetivos grandes. Mas nunca desse tamanho. Muito orgulho e gratidão. E surreal (risos)”, disse a brasileira, que também trabalha como enfermeira num regime sazonal, com plantões em hospitais nos meses do verão do hemisfério norte.

A próxima edição dos Jogos de Inverno será disputada nas cidades italianas de Milão e Cortina d’Ampezzo. Nicole terá mais quatro anos para treinar forte, mas ela não quer chegar à competição sozinha. A meta é ter mais atletas brasileiras nas provas de skeleton.

“A torcida me deixou muito animada e motivada. Só orgulho mesmo. Espero que a torcida continue e que não seja só eu. Que esse esporte cresça.” (O Sul)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade