A cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, afirmou em entrevista nesta quarta-feira, 14, que o público jovem deverá esperar até o ano de 2022 para se imunizar contra o novo coronavírus (Sars-CoV-2). Swaminathan lembrou que apesar do desenvolvimento avançado das pesquisas, é pouco provável que ela consiga ser desenvolvida em quantidade suficiente para imunizar toda a população mundial. Os jovens, que apresentam menor taxa de mortalidade à doença, devem ficar no fim da fila.

“As pessoas tendem a pensar que ‘ah, no dia primeiro de janeiro haverá vacina e as coisas vão voltar ao normal’. Não vai funcionar dessa forma. Ninguém nunca produziu vacinas com o volume que vamos precisar produzir. Então, em 2021, esperançosamente nós teremos vacinas, mas em quantidades limitadas”, afirmou. Ela lembrou que os primeiros imunizados deverão ser profissionais da linha de frente, os mais velhos e os mais vulneráveis à Covid-19. “Uma pessoa jovem e saudável terá que esperar até 2022 para ser vacinada”, afirmou.

Apesar de registrar pesquisas avançadas de vacina, a cientista lembrou que algumas imunizações levam de oito a dez anos para serem produzidas, então todos os processos acelerados são analisados minuciosamente pela OMS. “Estamos muito empolgados, podemos ser otimistas, mas até vermos os resultados da terceira fase, não saberemos quantas dessas vacinas serão seguras”, afirmou. Segundo a cientista, mais de 40 tipos de vacinas passaram a ser produzidas desde o mês de janeiro. (Jovem Pan)