Foto: Juan Ignacio Roncoroni | EFE

Vídeo: Presidente da Argentina diz que ‘brasileiros saíram da selva’ e que argentinos ‘vieram de barco da Europa’

Declaração do presidente argentino foi vista como racista por muitos internautas, que apontaram um apagamento da história dos nativos por parte do chefe de Estado

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, cometeu uma “gafe” nesta quarta-feira, 9, durante encontro com o primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, na Casa Rosada. Em coletiva de imprensa, Fernández afirmou que “os mexicanos vieram dos índios, os brasileiros vieram da selva, mas nós, os argentinos, chegamos nos barcos, e eram barcos que vinham da Europa, assim construímos nossa sociedade”. O argentino atribuiu a declaração ao escritor mexicano Octavio Paz, vencedor do prêmio Nobel de Literatura. Segundo o jornal argentino La Nacion, porém, a frase proferida por Paz teria sido outra:

“Os mexicanos são descendentes dos astecas; os peruanos, dos incas, e os argentinos, dos navios.” O veículo explicou que, na verdade, a inspiração de Fernández veio de uma música de Litto Nebbia que leva o nome de “Chegamos dos barcos”. “Os brasileiros vêm da selva, os mexicanos vêm dos índios, mas nós, os argentinos, viemos dos navios”, cantou Nebbia.

O erro foi suficiente para o nome do presidente argentino entrar nos mais comentados nas redes sociais. Apesar dos muitos memes por causa da confusão feita por Fernández, a declaração foi vista como racista. “Os argentinos nativos não contam para o presidente”, apontou um internauta.

“Ignore que muitos argentinos têm sangue de nativos e que, além disso, existem comunidades indígenas. Nem todas vieram do navio. Ele é o presidente de todos os argentinos e não conhece a origem de seus habitantes”, criticou outro. “O senhor não acha que esqueceu da colonização na América ao dizer que os argentinos ‘vieram’ de barco, os brasileiros da selva e os mexicanos dos índios?”, questionou um terceiro. (Jovem Pan)