Susepe quer usar drones apreendidos em presídios no combate ao crime – Porto Alegre 24 horas

Susepe quer usar drones apreendidos em presídios no combate ao crime

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





A Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) pretende utilizar drones que são apreendidos sobrevoando presídios do Rio Grande do Sul no combate à criminalidade. De acordo com a instituição, o objetivo é usar os equipamentos para auxiliar no monitoramento das penitenciárias, ajudando agentes visualização de invasões de galerias e pátios.

Atualmente, a Susepe formula o pedido ao Poder Judiciário para que algumas aeronaves não tripuladas apreendidas sejam usadas pela instituição. Conforem o diretor do Departamento de Segurança e Execução Penal, Ângelo Carneiro, a Susepe já possui drones, mas novos equipamentos poderiam auxiliar nos trabalhos.

“Primeiro é feito um registro na Delegacia de Polícia e depois a perícia. Após, nós analisamos o que fazer com ele. Estamos na tentativa de reaproveitá-los, até para utilizar eles contra o crime. Já há essa tratativa, inclusive vamos entrar em contanto com o poder judiciário para ver se eles nos autorizam para utilizar este equipamento contra a criminalidade. Temos um drone já, mas todo equipamento que vier, vem a somar” disse.



Nos últimos 15 dias, ao menos cinco drones foram abatidos pela Susepe e Brigada Militar sobrevoando a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Apesar de terem sido atingidos por um disparo de arma de borracha e caído ao solo, alguns dos equipamentos apresentam poucos danos. Os drones geralmente carregam drogas e telefones celulares.

Tela sobre os pátios dos presídios

A Susepe também estuda a implementação de telas para impedir que os drones consigam acessar o pátio dos presídios. Segundo a Superintendência, alguns complexos prisionais do Estado já possuem os tecidos. No entanto, Ângelo Carneiro afirma que é necessário estudar as características de cada presídio antes de decidir como implementar a tela. Não há prazo para instalação. (Correio do Povo)



Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade