BikePoa deve aceitar pagamento com o cartão TRI ainda em 2017

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





As bicicletas compartilhadas do BikePoa devem aceitar pagamento com o cartão TRI ainda em 2017. A confirmação foi dada pelo Prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior e pelo diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Marcelo Soletti, durante evento que apresentou o novo modelo das bicicletas na tarde desta quinta-feira, na estação da Fundação Iberê Camargo. A tecnologia das bikes compartilhadas, que têm patrocínio do Itaú, serão atualizadas até o fim do ano.

Conforme Marchezan, os novos modelos são mais resistentes e têm maior durabilidade. “Possibilitando que o projeto perdure ainda mais na nossa cidade”, ressaltou. Segundo ele, os estudos de integração para que o pagamento possa ser efetuado com o cartão TRI já estão sendo realizados. “O cidadão poderá liberar uma bicicleta, até o final do ano, utilizando o cartão TRI”, informou.

Em relação ao número de ciclovias e à qualidade das mesmas, o Prefeito afirmou que elas “não fogem da realidade de Porto Alegre” e, por conta disso, também apresentam defeitos. “Temos muita necessidade de investimentos na cidade. Pretendemos revisar qual é realmente a perspectiva da mobilidade, se é realmente trabalhar sempre com ciclovias ou se existe uma alternativa mais moderna”, disse.



De acordo com Marchezan, as novas “laranjinhas” serão modernizadas. Além do design da bicicleta, todo o sistema será mais seguro, para evitar vandalismos e furtos. De acordo com o CEO da tembici., empresa operadora do sistema, Tomás Martins, os novos modelos são semelhantes aos principais sistemas de bicicletas compartilhadas no mundo. “Resolvemos trazer essa novidade para o Brasil. Essa é uma tecnologia canadense, utilizada nas principais capitais do mundo”, disse. Conforme ele, o usuário terá mais formas de poder utilizar o sistema. Em algumas estações, por exemplo, o usuário poderá pegar um “passe casual”, apenas para um determinado período.

Mais de um milhão de viagens realizadas 

O sistema funciona em Porto Alegre desde setembro de 2012 e já possui mais de 270 mil usuários cadastrados, mais de um milhão de viagens realizadas, 41 estações e 410 bicicletas. As cinco estações mais utilizadas são as da Redenção Mercadinho, Iberê Camargo, Shopping BarraSul, Shopping Praia de Belas e Lima e Silva.

Segundo a gerente de relações governamentais e institucionais do Itaú Unibando, Simone Gallo, incluir a mobilidade urbana como uma causa oficial do banco “valeu a pena”. “Conseguimos fazer com que mais pessoas passassem a utilizar a bicicleta como meio de transporte. Agora vamos utilizar o aprendizado destes anos para elevar a outro patamar a qualidade do serviço e a satisfação dos usuários”, explicou.

Novos projetos 

Além do novo modelo do BikePoA, a Prefeitura de Porto Alegre e o Itaú anunciaram outros projetos focados na mobilidade urbana. Um deles é a “Escolinha Bike”, que existe na Capital desde 2015 mas, a partir de agora, também será realizado nos encontros “Prefeitura nos Bairros”. O projeto é voltado para crianças de dois a sete anos e apresenta um circuito de ensino, com o objetivo de auxiliar no aprendizado das crianças com as bicicletas.

Também foi anunciada a realização de um curso de capacitação para motoristas de ônibus, com o objetivo de promover o melhor convívio entre os motoristas do transporte coletivo com ciclistas e pedestres no compartilhamento do espaço nas vias. O curso será realizado em parceria com a EPTC e a Criss. Conforme o prefeito, o curso deve ser ampliado para as demais empresas de ônibus. Gestores públicos também receberão capacitação sobre o tema da mobilidade por bicicleta. (Correio do Povo)