Cooperativa que possibilita geração de renda a pessoas com deficiência mental há duas décadas sofre ordem de despejo da Prefeitura da capital

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp




Um impasse com a prefeitura movimentou ontem a rotina da Coopersocial, cooperativa que possibilita geração de renda a pessoas com deficiência mental. Justamente na Semana Nacional da Pessoa com Deficiência, a instituição relatou que teria recebido do município a determinação de sair em 20 dias do prédio que ocupa há duas décadas próximo à Vila Planetário para a chegada da Banda Municipal.

A Secretaria Municipal da Cultura, porém, rebateu as informações, assegurando que a cooperativa permanecerá no local, compartilhando o espaço. O município, dono do imóvel que é cedido à cooperativa, teria decidido há dois meses que o prédio abrigaria a Banda, desalojada da Usina do Gasômetro devido a uma reforma.


Contrariada, a Coopersocial concordou na época em dividir o espaço, ainda que tivesse que diminuir sua capacidade de funcionamento. “No momento em que eles chegaram, exigiram salas maiores. Ficaram com as grandes e nós, com as pequenas”, recorda a coordenadora da Coopersocial, Angela Godinho.

A instituição ficaria restrita a três salas no térreo do prédio localizado na rua Santa Terezinha, o uso compartilhado do refeitório e da cozinha. “Eles querem ocupar tudo. A combinação não foi essa”, contou ontem a coordenadora.

Dia confuso

Pela manhã, Angela abriu a cooperativa e deparou com o nome Coopersocial coberto de preto na fachada. No interior do imóvel, móveis e materiais que estavam armazenados no refeitório estavam jogados próximo à secretaria da cooperativa. “De manhã, a Angela me ligou apavorada relatando o que tinha acontecido”, disse o ex-presidente da instituição Vinicius Costa, 54 anos.


À tarde, o coordenador de Artes Cênicas da secretaria, Fernando Zugno, teria ao local para acertar a data de saí- da. Zugno nega. “Achei uma loucura. Em nenhum momento foi pedido ou exigido que eles saíssem”, alegou. Angela relatou que o município teria oferecido espaços nos bairros Navegantes e Restinga para a cooperativa. “A gente sondou a possibilidade [deles] irem para outros espaços. Jamais colocaríamos a cooperativa no relento”, rebateu Zugno, também sustentando que a decisão teria sido tomada em conjunto com o secretário Luciano Alabarse.

Além do nome coberto na fachada, Angela também teria ficado “chocada” com dizeres pintados no interior do prédio como “Usina das Artes” e “Ocupa e Resiste”. Zugno, porém, disse que a diretoria da cooperativa já havia sido informada sobre a ação, que ocorreu durante o fim de semana. “Isso não tem nada a ver com eles. Eu tinha avisado a cooperativa de que isso iria acontecer”, afirmou.

A cooperativa está há 22 anos no mesmo prédio. O local foi construído especialmente para atender pessoas com deficiência mental há quatro décadas, quando o prefeito Telmo Thompson Flores inaugurou ali o Copa (Centro Ocupacional de Porto Alegre).

Atualmente, 85 pessoas com deficiência trabalham fabricando fraldas e adesivando peças plásticas. O expediente ocorre três vezes por semana, às terças, quartas e quintas, nos turnos da manhã e tarde. Eles recebem um valor simbólico de R$ 30 por mês. “Para eles, é uma grande coisa ter dinheiro, ir no barbeiro e pagá-lo, comprar um pão na padaria. O trabalho dignifica”, conta Costa. (Band RS)