O Ministério Público denunciou 20 suspeitos de pertencer a uma das maiores organizações criminosas do Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





Vinte pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público, através do projeto-piloto da Promotoria Especializada no Combate aos Crimes de Lavagem de Dinheiro e Organização Criminosa. Entre os denunciados estão o traficante Jackson Peixoto Rodrigues, conhecido como Nego Jackson, que teria ligações com criminosos no Paraguai e com facções do Rio de Janeiro e seria responsável por pelo menos 20 homicídios.

Os outros 19 denunciados são ligados a ele, obedecendo um esquema de cargos e funções definidas dentro da organização. Nego Jackson foi preso no Paraguai e está recolhido à penitenciária de Porto Velho (RO), quatro denunciados estão presos no Estado, uma pessoa está sob monitoramento eletrônico e os demais aguardam em liberdade.




Os crimes, segundo a investigação apurou, foram cometidos entre os anos de 2015 e 2017, em Porto Alegre, região metropolitana e litoral norte do Estado. A organização criminosa atuava no tráfico de drogas, associação para o tráfico, venda ilegal de armas de fogo, lavagem de capital e homicídios. As denúncias são por organização criminosa, lavagem de dinheiro e utilização de contas de empresas e pessoas naturais para lavagem de capitais.

O Ministério Público pede também, com a condenação, perda dos bens e valores apreendidos e já sequestrados, que somam 11 milhões de reais, entre imóveis, veículos e valores bloqueados em contas bancarias, a serem revertidos ao Estado do Rio Grande do Sul, mais especificamente à Polícia Civil.




Segundo o promotor Marcelo Tubino, essa organização criminosa é responsável por inúmeros crimes dos mais violentos, por isso “o objetivo desse trabalho conjunto com a Polícia é frear a atividade delituosa com a prisão dos líderes e principais operadores da organização como também indisponibilizar o capital usado pra manutenção do grupo, buscando-se ao final compensar a sociedade gaúcha com os valores confiscados. Temos de sempre pensar em eficiência. No mesmo processo são inarredáveis ações privativas de liberdade e de restrição patrimonial. Temos um contínuo, cansativo, longo mas necessário caminho pela frente”.

Para a promotora Josiene Menezes Paim é importante salientar que este é o resultado de um trabalho conjunto da Delegacia de Repreensão ao Crime de Lavagem de Dinheiro, do Projeto-Piloto da Promotoria Especializada no Combate aos Crimes de Lavagem de Dinheiro e da Promotoria Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis. (O Sul)