Smed não renova contrato com empresa terceirizada e escolas pedem para que crianças já venham alimentadas de casa – Porto Alegre 24 horas

Smed não renova contrato com empresa terceirizada e escolas pedem para que crianças já venham alimentadas de casa

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





Do Sul21

A empresa Multiclean é responsável pela prestação de serviços nas áreas de limpeza e cozinha em 99 creches e escolas municipais. São, ao todo, 957 funcionários. Em 2017, o calendário letivo, afetados pelas greves ao longo do ano, provocou alterações nos períodos de trabalho que colidiram com a renovação do contrato com a Secretaria Municipal de Educação (Smed).




O contrato de dois anos entre a empresa e o município acabou em dezembro do ano passado. Segundo a Atempa (Associação dos Trabalhadores em Educação de Porto Alegre), a empresa não recebeu os repasses referentes aos meses de janeiro e fevereiro. Após pressões dos trabalhadores,a Multiclean teria pago os funcionários com verba própria, enquanto aguardava uma posição da Smed sobre a renovação. Ainda assim, os que trabalharam em janeiro e fevereiro aguardam benefícios como vale-alimentação e vale-transporte.




Na sexta-feira (23), a Escola Municipal de Educação Infantil Mamãe Coruja pediu que as crianças fossem às aulas já alimentadas. Nesse dia, a equipe responsável pelas merendas escolares não compareceu. A direção, também, teria pedido que os pais que tivessem dificuldades de fornecer o café da manhã aos alunos informassem à escola para que pudessem providenciar algo. Sem equipes de nutrição e limpeza, a escola – que atende em um período de 12h diárias – encerrou o atendimento algumas horas antes. Outras equipes de terceirizados da Multiclean, como os responsáveis pela Escola Municipal de Educação Infantil Paulo Freire afirmou que não continuarão trabalhando sem alguma garantia.

Segundo a Atempa, diversas reuniões foram realizadas nas últimas semanas para resolver a situação. A Smed, no entanto,  alega imprecisões burocráticas, como a falta de um carimbo ou a ausência do secretário de educação Adriano Naves de Brito.



Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade