Com cerca de 50 ocorrências por dia, delegacia do Centro de Porto Alegre é a que mais registra crimes no Rio Grande do Sul – Porto Alegre 24 horas

Com cerca de 50 ocorrências por dia, delegacia do Centro de Porto Alegre é a que mais registra crimes no Rio Grande do Sul

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp




A 17ª Delegacia de Polícia é a que mais registra ocorrências em todo o estado do Rio Grande do Sul. No ano passado foram mais de 18 mil crimes reportados, uma média de 50 por dia.

A unidade campeã no registro de crimes está localizada na região central de Porto Alegre. Em épocas festivas cerca de 1 milhão de pessoas cicularam por dia pelo Centro da cidade.




No ano passado foram registradas 3,7 mil roubos a pedestres e 1,4 mil furtos na região. Uma sala abarrotada com pastas reúne cópias dos inquéritos remetidos à Justiça nos últimos 10 anos, mas 13 mil investigações ainda estão em aberto.

E os números se mantém em 2018. No início do mês de maio os registros chegam a quase 6 mil. “É a delegacia que tem o maior volume de inquéritos e de ocorrências policiais no estado, atualmente”, afirma o delegado Fernando Soares, titular da 17ª DP.




Ele afirma que nem todos os casos chegam a ser investigados, e que muitos criminosos passaram a usar facas durante os crimes. “Essas facas serrilhadas de cozinha, porque fogem das abordagens da Brigada Militar, uma vez que são presos em flagrante quando estão com armas de fogo”, explica o delegado.

A Brigada Militar, responsável pelo policiamento na região, afirma que o roubo a pedestre tem diminuído. Foram 2.427 ocorrências, entre janeiro e abril de 2018, contra 2.880 no mesmo período do ano passado.

Para evitar que os suspeitos voltem às ruas muito rápido, a Brigada Militar diz que trabalha para embasar melhor as prisões. “O criminosos são presos, mas acabam não ficando muito tempo, então nós também estamos trabalhando com a qualificação até da prisão: vídeos, testemunhas (…) para fazer uma prisão qualificada, para que fique preso”, explica o tenente coronel Rodrigo Mohr Picon.




Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade