Facebook disse que as postagens com violência explícita aumentaram no início de 2018 – Porto Alegre 24 horas

Facebook disse que as postagens com violência explícita aumentaram no início de 2018

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





O número de postagens no Facebook mostrando violência aumentou nos primeiros três meses do ano em relação ao trimestre anterior, possivelmente impulsionado pela guerra na Síria, disse a rede social na terça-feira (15). O Facebook disse em relatório escrito que de cada 10 mil itens de conteúdo vistos no primeiro trimestre, estima-se que 22 a 27 peças contenham violência ilustrada, acima de uma estimativa de 16 a 19 no ano passado.




A empresa removeu ou colocou uma tela de alerta para a violência ilustrada na frente de 3,4 milhões de peças de conteúdo no primeiro trimestre, quase o triplo dos 1,2 milhão do trimestre anterior, de acordo com o relatório. O Facebook não sabe exatamente por que pessoas estão postando mais violência, mas acredita que a continuação dos combates na Síria pode ter sido uma das razões, disse Alex Schultz, vice-presidente de análise de dados da rede social. “Sempre que uma guerra começa, há um grande aumento na violência”, disse Schultz a repórteres na sede do Facebook.

Maior empresa de mídia social do mundo, o Facebook nunca divulgou dados detalhados sobre os tipos de postagens que são tiradas do ar por violação de regras. “Esses tipos de métricas podem ajudar nossas equipes a entender o que realmente está acontecendo com mais de 2 bilhões de pessoas”, disse ele. A empresa tem uma política de remover conteúdo que exalta o sofrimento dos outros. Em geral, deixa a violência ilustrada com uma tela de aviso caso tenha sido postada com outra finalidade.



Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade