Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News Entre no grupo do Whatsapp

A funcionária que tentou impedir a gravação do assassinato de João Alberto Silveira Freitas no Carrefour disse que não ouviu a vítima pedir socorro. A mulher, identificada como Adriana Alves Dutra, prestou depoimento à polícia no último sábado (21/11). Ela era agente de fiscalização do mercado onde João Alberto foi espancado até a morte no dia 19 de novembro, em Paço D’Areia, Porto Alegre (RS).

Adriana afirmou que estava no setor de “bazar” da loja quando foi chamada para conter uma briga entre um cliente — João Alberto — e uma funcionária. Ela disse que, antes de ir para o estacionamento da loja, Beto teria empurrado uma cliente. No entanto, as imagens analisadas pela polícia não mostram a vítima empurrando nenhuma mulher. As informações são da TV Globo.

Adriana também falou aos policiais que Beto e os seguranças começaram a brigar e que, nesse momento, ela teria chamado a Brigada Militar e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A agente de fiscalização afirmou ter pedido várias vezes que os seguranças soltassem João Beto, mas que não ouviu a vítima gritar por socorro.

No entanto, em vídeos que circulam pela internet, Adriana aparece perto do corpo de João Alberto, que estava sendo espancado no chão. Ele gritava por socorro e dizia: “Estou morrendo”. A funcionária do Carrefour filma a vítima e, ao perceber que uma testemunha também gravava as agressões, pede que o vídeo seja interrompido.

“Não faz isso, não faz isso, senão vou te queimar na loja. Não pode”, diz Adriana, ao “justificar” as agressões. “Ele deu em uma mulher lá em cima. Senão, a gente não teria [feito isso]. Ele bateu no fiscal. Ele pode bater em nós? A gente está tentando mobilizar ele”, completa.

A delegada responsável pelo caso, Roberta Bertoldo, disse que os dois acusados de cometerem o crime — Giovane Gaspar da Silva e Magno Borges Braz — estão presos preventivamente. Eles ainda não prestaram depoimentos. A investigadora espera a versão dos seguranças para comparar os depoimentos deles com os das funcionárias do Carrefour ouvidas no último sábado. (Metrópoles)