Foto: Reprodução

ONU retira maconha da lista de drogas mais perigosas; Brasil votou contra

Com Brasil na contramão, países das Américas tem avançado na legalização da maconha.

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Tiago Pereira
Da RBA

A Comissão de Narcóticos da ONU decidiu nesta quarta-feira (2) retirar a maconha da lista de drogas mais perigosas do mundo. O órgão votou uma recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) que sugeria a reclassificação da substância. Dos 53 países da comissão, 27 votaram a favor da reclassificação. Outros 25 foram contra, e uma delegação se absteve.

O Brasil votou contra, seguindo orientação do governo Bolsonaro. Países como China, Egito, Nigéria, Paquistão e Rússia também disseram não. Por outro lado, a medida foi apoiada pelos países americanos. Uruguai, Colômbia, Equador e México foram favoráveis, assim como EUA e Canadá.

Até então, a maconha constava na mesma lista de substâncias como a heroína, por exemplo. Esse índice foi lançado em 1961, na Convenção sobre Drogas Narcóticas, que deu início à chamada “guerra às drogas” em todo o mundo.

A decisão tem um peso simbólico, pois ainda caberá aos países definirem internamente os status de cada substância. Mas representa mais uma vitória na luta contra a criminalização.

Nos últimos anos, uma série de países vem legalizando o uso recreativo da maconha. O Canadá, por exemplo, deu esse passo no ano passado. Nesse ano, cinco estados norte americanos também decidiram, em plebiscitos, liberar o uso da erva. No mês passado, foi a vez do México decidir pela legalização. Anteriormente, ainda em 2017, o Uruguai havia sido o pioneiro desse tipo de medida no continente.