Ministério Público cria grupo de trabalho para investigar desvios de vacinas no RS – Porto Alegre 24 horas

Ministério Público cria grupo de trabalho para investigar desvios de vacinas no RS

Aeronaves do governo do Estado transportam para municípios do interior carregamento de vacinas da Oxford/AstraZeneca contra a covid-19
Foto: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Do Sul21

O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) anunciou nesta sexta-feira (29) que criou um grupo de trabalho para atender a demanda de denúncias sobre pessoas que teriam sido indevidamente vacinadas contra a covid-19.

Segundo levantamento do Centro de Apoio Operacional de Defesa dos Direitos Humanos (CAODH), o MP e a Secretaria Estadual de Saúde receberam até quinta-feira (28) 85 denúncias de possíveis casos de fura-fila da vacinação no RS. As cidades com maior número de possíveis fraudes são Porto Alegre, Santa Maria, Caxias do Sul, Agudo, Alvorada, Gravataí e Torres.

De acordo com a procuradora de Justiça Angela Salton Rotunno, coordenadora do CAODH, essas informações estão sob análise e serão encaminhadas conforme o tipo de ocorrência. As denúncias que não possuem informações suficientes para que se possa dar continuidade na investigação serão devolvidas.

Em outros casos, haverá encaminhamento de questionamentos ao gestor municipal sobre a veracidade da informação, motivo, funcionário responsável e demais informações para eventual adoção de providências. Algumas serão encaminhadas aos coordenadores dos CAOs Criminal ou Cível, que trata de improbidade administrativa. Os casos que não configurarem fura-fila, quando a situação se demonstrar de difícil comprovação de irregularidade ou for muito tênue, serão arquivados.

Angela Rotunno afirma que, até o momento, são poucas as situações consideradas graves. “Do grande universo de notícias, em torno de 5% configuram, em tese, crime, improbidade administrativa ou crime de responsabilidade”.

O GT é composto pelos Centros de Apoio Operacionais dos Direitos Humanos, Saúde e Proteção Social, Criminal e Cível e de Proteção do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade