Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News

Um dos maiores sucessos de bilheteria entre as produções gaúchas na última década, o longa-metragem Central – o poder das facções no maior presídio do Brasil já foi visto gratuitamente por mais de 300 mil pessoas na internet, em pouco menos de dois meses. Dirigido por Tatiana Sager e codirigido por Renato Dorneles, o filme está disponível no canal Falange TV, no YouTube, desde dezembro do ano passado.

Sobre o filme

Central – o poder das facções no maior presídio do Brasil retrata de dentro das celas a realidade de uma das mais precárias penitenciárias do mundo. O longa-metragem usa como ponto de partida o Presídio Central de Porto Alegre para traçar uma radiografia da crise no sistema prisional. Em 2008, o Central, como é conhecido entre os presos, foi considerado o pior do país pelo Congresso Nacional e um dos piores da América Latina pela Organização dos Estados Americanos (OEA).

O documentário também traz o olhar dos próprios presos. Com câmeras nas mãos, os detentos captaram imagens diretamente nas galerias, onde nem mesmo a polícia tem acesso. Superlotação, falta de infraestrutura e de higiene, má alimentação, uso liberado de drogas, além de uma rotina de execuções e maus tratos disfarçados em um discurso de ordem, são evidenciados no longa-metragem.

A partir de depoimentos de policiais militares, familiares, presos, o sociólogo Marcos Rolim e autoridades – como o juiz Sidinei Brzuska, da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre, e o promotor de Justiça Gilmar Bortolotto – o filme desnuda as diversas faces de uma mesma história, procurando expressar a autenticidade de um mundo que corre à margem. Mas que está absolutamente integrado à nossa estrutura social.

A produção é inspirada no livro Falange Gaúcha – a história do Crime Organizado no RS, de Renato Dornelles. Central recebeu os prêmios de melhor documentário de língua portuguesa no FESTin – Portugal (2016), de melhor documentário no 33° Prêmio dos Direitos Humanos de Jornalismo (2016), de Finalização FAC-RS (2014) e também o prêmio de melhor cineasta mulher, para Tatiana Sager, no Barcelona Planet Film Festival (2017). Também participou da seleção oficial do Florianópolis Audiovisual do Mercosul (FAM), em Santa Catarina (2016), do DocMontevideo, no Uruguai (2016), da Mostra Panorama do Festival Visões Periféricas, no Rio de Janeiro (2016) e da Mostra Gaúcha do Festival de Cinema de Gramado (2016).