Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News

O cantor Anderson Leonardo, vocalista do Grupo Molejo, abriu o jogo em uma live com o amigo e jornalista Beto Cascardo. A entrevista foi feita após o cantor prestar depoimento na delegacia na sexta-feira (5/2), respondendo às acusações de estupro feitas pelo MC Maylon, que denunciou o suposto crime. Segundo o cantor, a noite de sexo com o MC foi consensual e só foi revelada por não ter cedido à chantagem.

“O grande problema de tudo isso, porque ele quer se promover a qualquer custo e tentou me chantagear e não vai conseguir. A primeira vez, ele ainda usou a mãe, que ficava ligando pros meus funcionários. Tive, sim, relação com ele depois de tanto assédio. Uma vez, aconteceu. Eu estava sozinho, sem ninguém. Tivemos, sim, consensualmente. Ele já vinha me assediando, e eu perguntei: ‘Cara, é isso que você quer? Tem certeza? Não vamos confundir o pessoal com o profissional.’ Ele queria se lançar a qualquer custo”, contou o cantor, acrescentando que o MC se aproximou dele, usando o nome de um amigo que morreu, além de começar a frequentar o futebol.

Segundo Anderson Leonardo, após o consentimento, ele e MC Maylon – “na delegacia é que soube que na verdade ele se chama Maycon”, lembra o pagodeiro – seguiram para um motel, encontro que, Anderson garante ter sido o único. “Fomos para o motel e aconteceu. Eu acho que qualquer pessoa sabe o que acontece com qualquer casal. É só você ver o tamanho desse rapaz. No hotel, a parede era fina. Se esse rapaz desse um grito, ninguém ia ouvir? Esse rapaz ia esperar oito meses para me expor?”, questiona.

No fim do vídeo, Anderson afirma: “Não aguento, explodi. Comi? Comi. Estuprei? Não. Comi consensualmente”.

Na entrevista, Anderson contou sobre quando ofereceu ao MC a oportunidade de cantar uma música num show e não deu certo. Lembrou ainda que, depois disso, Maylon teria continuado a persegui-lo, aproximando-se dos seus filhos, sua irmã e frequentando o futebol de toda terça-feira. “Eu não conseguia enxergar que ele estava perseguindo. Chegou num ponto em que ele começou a fazer perfis fakes, mandando mensagens para mim, para funcionários meus.”

Anderson afirma que, “num determinado momento, o cara estava ali , fazendo tudo para me encantar, e eu não estou nem aí se é homem ou mulher, se sou bi, tri ou tetra, mas que importante é ser feliz com o Molejão”.

Após o encontro no Motel, na Estrada do Catonho, em Jacarepaguá, Zona Oeste da cidade, Anderson conta que continuou sendo assediado pelo MC. “O problema é que ele repetia nas mensagens os mesmos erros de português em frases que ele fala com frequência. E desconfiei. Ele também continuou indo a todos os shows”, conta.

Anderson finaliza a entrevista oferecendo ajuda ao MC. “Se precisar costurar para colocar no lugar aquilo que eu não destruí, eu ainda estou disposto a pagar. Vou arcar com o IPTU desse terreno”, completa, lembrando que está compondo uma nova música, que se chamará Consensual. (Metrópoles)