Foto: Antonio Maciel/PMPA

Bandeira preta em Porto Alegre: veja quais são as principais restrições

Restrições estão sendo aplicadas desde sábado (27)

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A partir deste sábado, 27, está em vigor em todo Estado as regras da bandeira preta do Sistema Estadual de Distanciamento Controlado. Com a suspensão do Plano de Cogestão Regional pelo Governo do Estado, Porto Alegre também deve seguir as normas vigentes. Confira abaixo as principais alterações:

Ensino
– Aulas presenciais estão proibidas, exceto na educação infantil e no 1º e no 2º anos do Ensino Fundamental. As aulas das escolas municipais permanecem suspensas, por decisão judicial.

Locais públicos abertos (parques, praças, faixa de areia) – Utilizados somente para circulação, respeitado o distanciamento interpessoal e o uso obrigatório e correto de máscaras. É proibida a permanência nesses locais.

Restaurantes, bares, lanchonetes, inclusive em shoppings – Exclusivo tele-entrega, pegue e leve e drive-thru. Das 20h às 5h: apenas tele-entrega, vedados pegue e leve e drive-thru. Restaurantes de autosserviço (selfervice): fechados.

Comércio essencial de rua (supermercados, açougue, padaria, fruteira, etc) – Vedado atendimento ao público das 20h às 5h. Tele-entrega sem restrição de horário. Lotação (trabalhadores + clientes): 1 pessoa, com máscara, para 8 metros quadrados de área útil de circulação, respeitando limite do PPCI.

Mercado Público – Vedado atendimento ao público das 20h às 5h. Tele-entrega sem restrição de horário. Lotação (trabalhadores + clientes): 1 pessoa, com máscara, para 8 metros quadrados de área útil de circulação, respeitando limite do PPCI.

Comércio não essencial de rua (lojas em geral) – Permite, até as 20h, tele-entrega e tele-atendimento, com presença de um trabalhador, com máscara, para cada 8 metros de área de circulação. Proibido atendimento na porta.

Shoppings – comércio não essencial – Permite, até as 20h, tele-entrega e tele-atendimento, com presença de um trabalhador, com máscara, para cada 8 metros de área de circulação. Proibido atendimento na porta.

Shoppings – comércio essencial – Vedado atendimento ao público das 20h às 5h. Tele-entrega sem restrição de horário. Lotação (trabalhadores + clientes): 1 pessoa, com máscara, para 8 metros quadrados de área útil de circulação, respeitando limite do PPCI.

Escritórios de forma geral (advocacia, contabilidade, consultoria, arquitetura, publicidade etc.) – Apenas tele-atendimento. Equipes presenciais restritas: até 25% dos trabalhadores.

Missas e cultos – Limite de até 10% do teto de ocupação ou máximo de 30 pessoas.

Bancos e lotéricas – 50% dos trabalhadores.

Condomínio residencial – Fechadas áreas comuns, tais como espreguiçadeiras, brinquedos infantis, piscinas, saunas, quadras, salões de festas, churrasqueiras compartilhadas e demais locais para eventos sociais e de entretenimento.
Permitida academia, com prévio agendamento. Possibilidade de atendimento individualizado ou coabitante. Ventilação cruzada e higienização constante.

Salões de beleza e barbeiro – Fechados.

Lavanderias – 25% dos trabalhadores.

Imobiliárias – 25% dos trabalhadores.

Clubes sociais – Fechados.

Piscinas em geral – Fechadas.

Academias – Fechadas.

Eventos – Fechados.

Cinemas – Fechados.

Transporte público coletivo – 50% de lotação. Vedados passageiros em pé.

Assistência à saúde (clínicas, laboratórios, consultórios, incluindo nutricionista, fisioterapeutas etc.) – Permitidos 100% dos trabalhadores.

Clínica e assistência veterinária – 50% dos trabalhadores.

Pet shop – Fechados, salvo os serviços de clínica e assistência veterinária (50% dos trabalhadores).

Construção civil (obras, reformas e demais serviços de engenharia) –
75% dos trabalhadores.

Serviço público municipal – Trabalho remoto, com exceção para os serviços essenciais que necessitem ser executados de forma presencial.

Museus e espaços culturais públicos municipais – Fechados.

Acesse aqui os protocolos gerais e específicos do Governo do Estado.

Fonte PMPA