Auxilio Emergencial: veja como vai funcionar o cadastro para receber pagamento da nova rodada do benefício

A nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial está prevista para acontecer à partir deste mês de março

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Com a confirmação do auxílio emergencial por parte do presidente Bolsonaro e a afirmação de que a nova rodada de pagamentos será liberado neste mês, muita gente está questionando sobre o cadastro para receber as novas parcelas do benefício.

A nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial está prevista para acontecer à partir deste mês de março até o mês de junho, com parcelas de R$ 250 para o beneficiário. Contudo, com relação ao cadastro dos novos beneficiários é importante deixar claro que não será necessário qualquer tipo de novo cadastro para receber as novas parcelas do auxílio emergencial.

Como vai funcionar o cadastro?

Como mencionado logo à cima não será necessário qualquer tipo de cadastro para receber as novas parcelas. Acontece que os mesmos beneficiários que já se cadastraram e receberam no ano passado serão os mesmos que vão receber este ano.

A diferença é que o governo implementou um novo pente-fino que cruzará os dados de diversos brasileiros, o que reduzirá o quantitativo de pessoas que vão receber, fazendo assim com que, somente os beneficiários que necessitam das parcelas possam ter acesso as mesmas.

O pente-fino cruzará informações de mais de 11 bases de dados como por exemplo o CAGED, INSS, MEI, CNIS, Imposto de Renda. Deixando assim o pagamento das parcelas mais enxuto, somente para quem faz jus ao recebimento.

Dentre o pente-fino do governo estarão fora da nova rodada:

– Servidores públicos
– Aposentado
– Pensionista
– Quem recebe BPC
– Quem recebe seguro-desemprego
– Pessoas com vínculo empregatício ativo.

Os brasileiros que receberam o auxílio emergencial no ano passado e estavam na situação de desemprego que agora estão trabalhando vão ficar de fora.

Aqueles que estavam esperando algum benefício previdenciário e receberam o auxílio e que agora já estão recebendo algum benefício previdenciário também estarão de fora.

Dependentes declarados no Imposto de Renda também devem ficar de fora.

Jornal Contábil