Reprodução

Estudo brasileiro comprova infecção simultânea por duas variantes

Este fenômeno chamado de coinfecção pode gerar novas mutações ainda mais perigosas

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Pesquisadores brasileiros realizaram o sequenciamento genético em 92 pacientes com covid-19 e comprovaram algo perigoso: a infecção simultânea por duas variantes do coronavírus. As duas linhagens diferentes foram identificadas em duas mulheres na faixa dos 30 anos. O fenônemo é chamado de coinfecção.

Em um dos casos, havia duas variantes que circulam no Brasil desde o começo da pandemia. No segundo, além de uma forma mais antiga do vírus, apareceu também a P2, versão do vírus encontrada pela primeira vez no Rio de Janeiro.

O estudo foi publicado na semana passada na revista Virus Research e foi feito por pesquisadores do Laboratório de Microbiologia Molecular da Universidade Feevale, em Novo Hamburgo, na região metropolitana de Porto Alegre e por especialistas em biotecnologia do Laboratório Nacional de Computação Científica, em Petrópolis, no Rio.

As duas pacientes que tiveram seus casos relatados no estudo tiveram quadro leve a moderado de covid-19 e se recuperaram sem a necessidade de hospitalização.

Por que isso preocupa?

A coinfecção é alarmante, segundo os cientistas, porque combina genomas de diferentes linhagens, permitindo sequências completamente novas, resultando na evolução do vírus e até no surgimento de novas variantes, que podem ter maior capacidade de se replicar ou invadir o sistema imunológico.

Este é um fenômeno conhecido em vírus de RNA . Novas variantes da gripe são geradas por um mecanismo semelhante denominado “rearranjo”.

De acordo com o virologista Fernando Spilki, da Feevale, um dos autores do estudo, esse tipo de fenômeno é esperado porque vírus são mestres da evolução, especialmente o coronavírus. “Um achado robusto como o nosso é inédito no mundo, mas já havia a desconfiança de que isso já teria ocorrido”, explicou.

Monitorar esse cenário é de extrema importância porque permite que os cientistas acompanhem o surgimento dessas novas variantes e entendam e respondam a quaisquer mudanças em sua transmissão ou eficácia da vacina.

Catraca Livre