Foto: Divulgação/Polícia Civil

Líder dos ‘Bala na Cara’ de Cachoeirinha é preso em Santa Catarina

O pequeno, que é irmão de vereador, estava escondido em um apartamento de luxo na frente da praia

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Agência GBC

A Polícia Civil confirmou na manhã desta sexta-feira (12) a prisão de Tiago Soares da Silva de 38 anos. Conhecido como Pequeno, o líder dos ‘Bala na Cara’ em Cachoeirinha e Gravataí foi preso em Itapema, no Litoral Norte de Santa Catarina, na última quinta (11).

Silva é considerado o foragido mais procurado do Rio Grande do Sul. Ele é apontado por estar envolvido em 11 homicídios, além de ser suspeito de um furto a banco e assalto a uma empresa de transporte de valores.

Em outro estado

O Pequeno estava em um apartamento de luxo na frente da praia de Itapema. No imóvel, ele tinha uma Mercedes GLA 200 na garagem e até seguranças. “Já estávamos monitorando o alvo”, contou a diretora do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegada Vanessa Pitrez.

Contra o preso, havia mandados de prisão definitiva por furto em banco e outros dois de prisão preventiva por homicídios. Durante a prisão de Silva, a polícia apreendeu dinheiro no apartamento onde ele estava, reais e dólares.

Nos últimos dias, foram intensificadas as buscas a Tiago. Isso, porque segundo o delegado Eibert Moreira, ele voltou a circular pelo Rio Grande do Sul. “Além de ter equipe em Itapema, posicionamos equipes também em Capão da Canoa. Recebemos nessa semana até denúncias de que ele estava circulando em Cachoeirinha e cidades vizinhas”, conta.

Financiou a campanha do irmão

De acordo com a delegada, Tiago também é acusado de financiar a campanha do irmão dele, o vereador de Cachoeirinha, Juca Soares (PSD). O político foi alvo de uma operação do Ministério Público em janeiro por causa da suspeita de ter usado dinheiro ilícito no processo eleitoral. Um mandado de busca foi cumprido na residência do político.

Em nota, divulgada na época da ação, em 29 de janeiro, Soares disse que as denúncias eram infundadas, que era alvo de perseguição política e que todos os fatos serão esclarecidos em âmbito judicial.