Foto: Reprodução | Twitter

Na semana recorde de mortes por covid-19, Porto Alegre tem carreata contra medidas para conter o vírus

O protesto foi realizado no dia seguinte em que familiares levaram até cinco horas para registrar um óbito no plantão dos cartórios de Porto Alegre.

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Do Sul21

Uma grande carreata tomou as ruas de Porto Alegre neste domingo (14), composta por manifestantes contrários às medidas adotadas pelo Governo do Estado para tentar reduzir o contágio do coronavírus no momento mais grave da pandemia no Rio Grande do Sul. Partindo do monumento Laçador, a carreata percorreu vários bairros da cidade, cobrando o fim das restrições comerciais determinadas pela bandeira preta no Modelo de Distanciamento Controlado do governo estadual.

Neste domingo (14), o sistema de monitoramento de leitos de UTI da Prefeitura de Porto Alegre indica o colapso do sistema de saúde, com 116% dos leitos de UTI ocupados. A situação é ainda mais dramática em alguns hospitais de referência na cidade, como o Moinhos de Vento, com 160% de lotação, o Hospital Ernesto Dornelles (152%), Hospital São Lucas (132%) e o Hospital de Clínicas, com 117% dos leitos de UTIs ocupados.

Ao todo, a Capital tem hoje 1.055 pacientes com covid-19, somando os internados na UTI e aqueles na emergência aguardando um leito de UTI, sendo que a capacidade total de Porto Alegre é de 997 leitos de UTI. O esgotamento do sistema de saúde atinge todo o Rio Grande do Sul, cuja taxa de ocupação de leitos de UTI está em 110,3%.

O protesto dos manifestantes contrários ao fechamento temporário de determinadas atividades econômicas é realizado no dia seguinte em que familiares levaram até cinco horas para registrar um óbito no plantão dos cartórios de Porto Alegre. Neste sábado (13), ao longo de todo o dia houve longas filas para se realizar o registro de falecimento no plantão dos cartórios, que funciona dentro da Central de Atendimento Funerário (CAF). Entre 0h e 22h de sábado, foram realizadas 130 liberações de sepultamento, translado de corpos ou cremação. O recorde diário da semana.

Desde o domingo (7) passado até este sábado (13), foram notificadas as mortes de 1.516 pessoas no Rio Grande do Sul, a semana mais mortal desde o início da pandemia há um ano. Atualmente, o RS é o terceiro estado com o maior número de mortes de covid-19 no Brasil, considerando o acumulado dos últimos sete dias. São 11,8 óbitos para cada 100 mil habitantes, apenas atrás de Rondônia (16,1 mortes/100 mil habitantes) e Roraima (12 mortes/100 mil habitantes). No mesmo período, a Itália teve 3,66 mortes/100 mil habitantes e os Estados Unidos 2,94/100 mil habitantes.