Foto: Alex Rocha | PMPA

Atenção: Justiça mantém aulas presenciais suspensas em todo o Estado do RS

Aulas não devem ser retomadas, de acordo com decisão deste domingo

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A juíza Cristina Luísa Marquesan da Silva, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre decidiu, neste domingo (25), que permanece válida a decisão liminar que suspendeu as aulas presenciais nas escolas públicas e privadas de todo o Estado durante a bandeira preta, independentemente de eventual flexibilização de protocolos, como ocorreu na última sexta-feira.

A determinação da Justiça atende petição da Associação Mães e Pais pela Democracia (AMPD), pedindo que o Estado fosse advertido com a máxima urgência para que cumprisse a decisão de suspensão das aulas presenciais. Decreto publicado na última quinta e divulgado pelo governador Eduardo Leite na sexta anunciava a retomada das aulas presenciais na educação infantil, 1º e 2º anos do ensino fundamental nas regiões em bandeira preta com cogestão.

Conforme a juíza, a decisão de suspensão das aulas presenciais proferida em 28 de fevereiro continua válida, uma vez que ainda não foi modificada pelos recursos já interpostos. “Como não houve a mudança de bandeira nesta semana, a medida liminar continua produzindo efeitos jurídicos – pelo menos até ser modificada por outra decisão judicial em grau de recurso e não por Decreto do Chefe do Executivo Estadual, em respeito ao princípio da separação dos Poderes.”

Pelo modelo de Distanciamento Controlado adotado pelo Estado, todas as regiões encontram-se em bandeira preta pela nona semana consecutiva. A manobra feita pelo governo Leite foi a adoção da cogestão na educação, liberando aulas presenciais mesmo nas regiões classificadas em bandeira preta que adotam regras mais flexíveis da bandeira vermelha.

O recurso do Estado do Rio Grande do Sul contra a decisão está sendo julgado pela 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça em sessão virtual, a qual deve se encerrar em 28 de abril.

Tramites judiciais

Mais cedo nesta manhã, em plantão no Foro da Capital, o Juiz Paulo Augusto Oliveira Irion entendeu que a liminar permanece em vigência, mas que a alegação de que o novo decreto descumpre a liminar é matéria que deveria ser avaliada aonde tramita a ação.

Assim, determinou a remessa do processo ao 2º Juizado da 1ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central da Capital.

Na sequência, a Juíza Cristina Marquesan da Silva reafirmou a vigência da decisão liminar e a continuidade da suspensão das aulas presenciais em todo RS.

Porto Alegre

No sábado (24), a secretária de Educação de Porto Alegre, Janaina Audino, informou que as aulas presenciais na rede pública municipal seriam retomadas na próxima terça-feira (27). O Município ainda não se manifestou após a decisão deste domingo.

Governo do Estado

Após a decisão da juíza Cristina Luísa Marquesan da Silva, o governo do Estado informou ter encaminhado pedido de urgência na análise de processo sobre a retomada das aulas presenciais. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) postulou nesta tarde ao desembargador Antônio Vinícius Amaro da Silveira para que seja esclarecido que, no entendimento do Executivo, o decreto publicado na sexta não contraria a decisão judicial de proibição de aulas durante a bandeira preta no sistema de Distanciamento Controlado. (Sul21)