Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Exame permite identificar qual variante paciente foi infectado

Teste está disponível apenas nos hospitais

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Como se não bastasse o coronavírus original, há ainda as variantes para nos preocupar. E a menos que você tenha recém-chegado de Vênus, você certamente está em alguma medida encucado (a) com elas. Só no Brasil, há 5 dessas cepas correndo soltinhas por aí. A novidade é que um teste novo é capaz de identificar por qual delas o indivíduo foi infectado.

Mas pode ir sossegando na cadeira porque esse teste não está disponível nas farmácias. Explico: o exame não tem finalidade de diagnóstico da doença para o público em geral. Serve, sim, para auxiliar os médicos a entenderem o que se passa com o paciente infectado em um quadro mais grave.

Por isso, o Grupo Fleury disponibiliza o teste apenas nos hospitais. Isso evita que as pessoas façam o exame apenas por curiosidade.

A ideia é que o resultado do teste ajude o médico a ter indícios de que o paciente internado vai evoluir de maneira pior ou não, de acordo com a variante que o infectou.

Como funciona o exame?

O teste pode identificar entre duas e cinco variantes descritas no Brasil. São elas: a P.1, do Amazonas, a B.1.1.7, do Reino Unido, a sul africana B.1.351 e as brasileiras P.2 e N.9.

No caso de contaminação pela cepa do coronavírus original, o resultado dá negativo. A informação, no entanto, não altera o tratamento dos pacientes.

Por outro lado, o resultado fornece uma informação epidemiológica importante. No Brasil, por exemplo, a variante brasileira P.1 é ligada à explosão de casos recente. E isso se dá porque essa cepa é muito mais transmissível que as demais.

Catraca Livre