fome
Foto: Leonardo de França | Brasil de Fato

Fome atingiu 19 milhões de brasileiros em 2020, aponta pesquisa

De acordo com a pesquisa, 55,2% dos domicílios brasileiros sofreram com algum nível de insegurança alimentar no ano passado

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

No ano passado, 19 milhões de pessoas foram atingidas pela fome. Logo após a redução do auxílio emergencial em 2020, uma pesquisa apontou que que mais de 116,8 milhões de brasileiros conviveram com algum grau de insegurança alimentar, representando 55,2% dos domicílios do país.

Os dados são do estudo conduzido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), com apoio do Instituto Ibirapitanga em parceria com a ActionAid Brasil, da Fundação Friedrich Ebert Stiftung e da Oxfam Brasil.

A pesquisa foi realizada com 2.180 pessoas, em todas as regiões do Brasil, no período de 5 a 24 de dezembro. As amostras coletadas foram dos três meses anteriores e demostrou que 9% da população viveram a insegurança alimentar grave, o que significa que passaram fome.

A diminuição do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300 e de R$ 1.200 para R$ 600 (no caso de mãe solo) impactou bastante nos dados coletados. Em 2021, o benefício sofreu novo reajuste. Para pessoas que moram sozinhos, o valor será de R$ 150; e para famílias chefiadas por mulheres, R$375. A nova leva deve ser paga nos próximos dias.

O governo também foi mais seletivo na escolha dos beneficiários. A médica epidemiologista e pesquisadora da Rede Penssan Ana Maria Segall destacou que “a diminuição do auxílio emergencial e a falta de clareza sobre quem irá, de fato, recebê-lo, o país deve persistir num grave quadro de insegurança alimentar.”

“A forma com que os governos vêm lidando com as crises econômica e política dos últimos anos, sobreposta à pandemia da Covid-19, geraram impactos negativos profundos no direito humano à alimentação adequada e saudável do povo brasileiro”, completou.

Fatores adicionais

Além de associar a insegurança alimentar com o auxílio emergencial, a pesquisa ligou o aumento da fome com a cor da pela das pessoas. Assim, 10,7% da população preta ou parda enfrentam insegurança alimentar grave. O percentual das de raça/cor da pele branca ficou em 7,5%. Os dados se repetiram com outras categorias de insegurança alimentar.

Outro fato importante citado é que a classe média também foi atingida pela insegurança alimentar leve durante a pandemia. Em 2018, 20,7% dos domicílios que sofriam com o problema. Em dois anos, o índice subiu para 34,7%.

O coordenador da rede Penssan, Renato Maluf, afirmou, “era previsível que a comida, tanto sua disponibilidade como o acesso a ela, viessem a ocupar o centro das preocupações e urgências no contexto de pandemia pela qual estamos passando”. (Metrópoles)