Fundação de Meio Ambiente apreende mais de 900 animais em situação de maus-tratos em Gravataí – Porto Alegre 24 horas

Fundação de Meio Ambiente apreende mais de 900 animais em situação de maus-tratos em Gravataí

Estabelecimento funcionava de maneira irregular há mais de dois anos
Texto e fotos: Caroline Barcelos

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Na manhã desta sexta-feira, 16, uma ação coordenada pelo Departamento de Bem-Estar Animal, da Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMMA), recuperou mais de 900 animais que viviam em uma situação de maus-tratos em um aviário. Além dos que foram recuperados, também foram encontrados animais mortos. Além disso, os profissionais se depararam com um ambiente precário, úmido, sem iluminação e animais com a saúde comprometida. Nada disso, no entanto, impedia que os mesmos fossem comercializados. Entre os recuperados, havia aves, porcos, coelhos e um cabrito. Todos foram enviados para o canil municipal para serem avaliados por um médico veterinário. Impressionado com a situação do local, o veterinário Marco Pereira, da Vigilância em Saúde (Viemsa), que acompanhou a operação, descreveu como inacreditável o ambiente insalubre, com animais subnutridos e alguns até mortos, e descreveu como, péssimas, as condições de higiene do espaço.

A FMMA mantém, além de todo o trabalho burocrático de licenciamentos, uma atividade permanente de combate aos maus-tratos a animais, que é considerado crime, conforme o decreto nacional 6.514/2008, que prevê, para a prática de ato de abuso, maus-tratos, ferimento ou mutilação de animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, requer multa de 500 a 3 mil reais. O diretor do Departamento de Proteção aos Animais, Rafael Evaldt, lembrou que apreensões como a de hoje irão se tornar rotina no departamento. “É muito revoltante ver animais empilhados, vivendo em situação de extrema precariedade, sem comida, água ou luz solar”, lamentou Rafael.

A vereadora Márcia Becker, ativista da causa animal, também auxiliou no recolhimento dos animais. Diante do cenário, Márcia reforçou que as pessoas precisam aprender que maltratar os animais, de qualquer espécie, é um crime e que quem comete essa crueldade deve pagar por isso. A protetora lembrou, ainda, que essa era uma luta de anos, descrevendo a cena como o fim de um ritual de tortura às aves e aos demais animais.

A ação, que contou com o apoio da Guarda Municipal, a partir do seu grupamento ambiental, dos fiscais da SMDET e dos fiscais da Viemsa, durou cerca de cinco horas. O proprietário do estabelecimento não estava no local e não compareceu durante toda a operação. O comércio já havia sido autuado e estava atuando de maneira irregular.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade