Os motivos para o Rio Grande do Sul liderar a vacinação contra a Covid-19 – Porto Alegre 24 horas

Os motivos para o Rio Grande do Sul liderar a vacinação contra a Covid-19

A vacinação é feita nos fins de semana, feriados e, em alguns dias, com horários estendidos.
Foto: Divulgação | Palácio Piratini

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Rapidez na distribuição das doses, coordenação com os municípios, aumento do número de profissionais – incluindo o uso de aposentados e estudantes da área de saúde -, postos móveis de imunização e horários estendidos de atendimento são, segundo avaliação das autoridades locais, algumas das causas que fazem do Rio Grande do Sul o estado que percentualmente mais vacinou a população contra a Covid-19 no Brasil.

Segundo dados compilados, 17,5% dos gaúchos receberam ao menos uma dose do imunizante, mais de quatro pontos percentuais acima da média brasileira, que é de 13%. Até agora, 1.992.474 dos moradores do estado receberam a primeira dose – o Rio Grande do Sul tem 11,4 milhões de habitantes. Além disso, 584.276 já estão imunizados com a segunda aplicação.

Para a secretária estadual de Saúde, Arita Bergmanm, a organização da campanha com participação direta dos gestores municipais de saúde e adistribuição rápida são as principais razões para a agilidade do processo. “Não levamos nem 24 horas para distribuir as doses que chegam do Ministério da Saúde. Ou seja, chega ao aeroporto às 6h, no máximo em três horas o nosso centro de distribuição começa a fazer a remessa para os dezoito pontos no interior, por transporte terrestre ou aeronaves. No mesmo dia, a partir do meio-dia, esses pontos já começam a distribuir para os municípios, que vão com muito agilidade também levar aos postos de vacinação”, relata a secretária.

Com 497 municípios, o Rio Grande do Sul tem cerca de 1.800 pontos para imunização. “Outro ponto importante é a capilaridade das redes. Nós temos muitas salas de vacinação e equipes preparadas para fazer a aplicação o mais rápido possível, através de um guia prático que foi passado a eles”, afirma Bergmanm.

A vacinação é feita nos fins de semana, feriados e, em alguns dias, com horários estendidos. O Rio Grande do Sul também recebe o apoio de profissionais aposentados da área da saúde, que podem ajudar na aplicação de doses, e de estudantes de enfermagem. “Há uma mobilização para que tenha um grande número de vacinadores”, destaca a secretária.

Outro ponto é a orientação dada pelo Rio Grande do Sul às cidades para que preencham as informações no Sistema de Imunização Nacional o mais rápido possível para que haja dados reais da vacinação.

Segundo levantamento de VEJA com base nos números oficiais do Ministério da Saúde, nas últimas duas semanas a média móvel de casos se manteve estável (4.295,7 em 7 de abril contra 4.289,4 em 21 de abril), mas a taxa de mortos caiu de 217,9 para 160,7 no mesmo período. A média móvel de mortes é calculada a cada período de sete dias e é mais recomendada para acompanhar a evolução a doença porque evita distorções.

Porto Alegre

Na capital gaúcha, já foram vacinadas mais de 348.000 pessoas com a primeira dose, o que dá 23% da população da cidade. O diretor da Vigilância em Saúde de Porto Alegre, Fernando Ritter, reforça a importância de colocar as vacinas à disposição da população o quanto antes. “Abrimos unidades de saúde, estamos com três a quatro drive-thrus e usamos uma unidade móvel, que tem bastante procura”, diz.

Ele também cita o envolvimento de entidades que representam as categorias prioritárias. “Fizemos parceria com os conselhos de classe. Teve um dia em que a gente vacinou os profissionais de saúde nos conselhos de odontologia, medicina, enfermagem, fisioterapia e psicologia”, conta.

Ritter ressalta também que a capital faz um controle para que não falte doses em nenhum ponto de imunização. “Monitoramos diariamente onde tem a vacina. Isso fez com que nós não suspendêssemos a vacinação em nenhum dia por falta de imunizantes em nenhum local”, afirma.

Outros estados

Além do Rio Grande do Sul, outros cinco estados imunizaram com a primeira dose um percentual da população superior à média nacional: Mato Grosso do Sul, Espírito Santo, Paraíba, Bahia e São Paulo (veja quadro abaixo).

As unidades da federação com os menores percentuais estão nas regiões Norte e Centro-Oeste: Rondônia, Amapá, Tocantins, Mato Grosso e Acre – todas têm menos de 10%. (Veja)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade