Foto: Divulgação | PMPA

Proprietários de restaurante autuado no bairro Moinhos de Vento contestam informações da fiscalização

Tanto é, que não atua como boate há meses. Afirmam os proprietários.

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Alvo de abordagem da Guarda Municipal de Porto Alegre por suposta aglomeração, o restaurante, localizado no bairro Moinhos de Vento, foi autuado pela prefeitura de Porto Alegre na noite desta quinta-feira (22).

De acordo com a Prefeitura, os fiscais haviam constatado que o distanciamento social não estava sendo respeitado e que dentro do restaurante teriam aproximadamente 150 pessoas. Em entrevista ao portal Porto Alegre 24 Horas, os responsáveis pelo restaurante negam qualquer aglomeração.

“Desde o início da pandemia de covid-19, o 300 Cosmo Dining Room tem se reposicionado como negócio para se adequar ao novo contexto e garantir sua sobrevivência. Historicamente um restaurante com música, a casa tem se esforçado para fazer com que seu público se adéque aos regramentos impostos pelos decretos estaduais e municipais. Tanto é que não atua como boate há meses”, afirmam os proprietários.

Também de acordo com os proprietários, na noite de 22 de abril (quinta-feira), toda a operação já havia sido encerrada antes das 23 horas. Por isso, foi uma surpresa quando a Guarda Municipal chegou às 23h08 e abordou os colaboradores para solicitar a dispersão do restante do público que ainda acertava o pagamento de suas respectivas consumações.

— Explicamos que as cerca de 60 pessoas que ainda estavam no local, entre clientes e colaboradores, apenas estavam concluindo seus processos de pagamento, assim como ressaltamos que durante toda a noite, de acordo com registro do sistema operacional do restaurante, 122 pessoas estiveram presentes. A capacidade do local é de 490 pessoas e durante a abordagem da Guarda Municipal havia menos de 15% de ocupação.

Os responsáveis pelo restaurante também afirmam que pontuaram isso junto aos servidores que realizaram a operação, mas não encontraram compreensão. Além disso, o Auto de Interdição Cautelar, que ainda precisa ser julgado, conta com informações equivocadas, como o número de pessoas no local (150 pessoas presentes), totalmente divergente com a realidade dos fatos.

“Ressaltamos que estamos compromissados com a sociedade e as normas deliberadas pelo poder público. Até porque essa foi a primeira autuação da casa desde o início da pandemia. Porém, também esperamos um tratamento equânime e a compreensão de tudo que está sendo realizado pelo 300 Cosmo Dining Room está de acordo com a legislação vigente. Afinal, estamos falando sobre movimentação da economia, impostos arrecadados e empregos gerados”, conclui a nota do restaurante.