Bolsonaro tem 11 vídeos removidos pelo Youtube – Porto Alegre 24 horas

Bolsonaro tem 11 vídeos removidos pelo Youtube

Foram removidos também outros três vídeos, um de Eduardo Bolsonaro, outro do Daniel Silveira e outro de Magno Malta
Foto: Marcos Corrêa/PR/arquivo

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Da Revista Fórum

Foram removidos pelo YouTube, nesta quinta-feira (26), pelo menos 11 vídeos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), 10 deles com menções à cloroquina.

A remoção dos vídeos faz parte de uma nova política da empresa que prevê, a partir de abril, a remoção de vídeos que recomendem cloroquina ou ivermectina para tratar Covid-19, medicamentos que não possuem eficácia comprovada contra a doença.

Bolsonaro com medicamentos à base de cloroquina – Foto: Reprodução

Foram removidos também outros três vídeos, um do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL), outro do Daniel Silveira (PSL) e outro do ex-Senador do Espírito Santo Magno Malta.

Dentre os vídeos removidos de Jair Bolsonaro, estão duas lives feitas em março e abril do ano passado. A menção à cloroquina nestes dois casos aparece apenas na descrição do conteúdo.

Outros vídeos derrubados incluem títulos como “A Hidroxicloroquina cada vez mais demonstra sua eficácia em portadores do COVID-19” e “Fox News mostra estudos sobre a eficácia da Hidroxicloroquina no combate ao Coronavírus”.

O YouTube informou em abril que serão retirados vídeos que tenham:

conteúdo que recomenda o uso de ivermectina ou hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19;

conteúdo que recomenda o uso de ivermectina ou hidroxicloroquina para prevenção da Covid-19;

afirmações de que ivermectina ou hidroxicloroquina são tratamentos eficazes contra a Covid-19;

alegações de que há um método de prevenção garantido contra a Covid-19;

afirmações de que determinados remédio ou vacinas são uma cura garantida para a Covid-19.

O YouTube diz que “também não é permitido o envio de conteúdo que dissemine informações médicas incorretas que contrariem as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

De acordo com a empresa, a conduta mencionada vale para:

tratamento;

prevenção;

diagnóstico;

transmissão;

diretrizes sobre distanciamento social e autoisolamento;

e a existência da Covid-19.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade